Responsável por ataques contra Galileu afirma não ter interesses eleitoreiros

Administração informou que processará culpados e classificou atitude como desrespeitosa

Matheus Augusto

Um vídeo que circulou nas redes na noite de quinta-feira, 2, continua gerando repercussão em Divinópolis. Na filmagem, feita em um supermercado, uma mulher aparece xingando o prefeito Galileu Machado (MDB). Ela o chama de "safado", "sem vergonha" e "prefeito dos buracos", e ainda criticou o silêncio dos demais presentes.

— Porque vocês não reclamam dos buracos que "quebram" os pneus de vocês. (...) Agora todo mundo cala a boca! — comentou. 

No vídeo de quase um minuto, ela ainda classifica o prefeito como "ordinário".

— Você não me enfrenta, não? — grita.

Durante todo o tempo, Galileu não rebate os ataques sofridos até deixar o supermercado, onde estava após receber um convite do proprietário para participar de um café no empreendimento. Após a Prefeitura se manifestar sobre o assunto, ela também se defendeu.

Sem ligação política

O Agora conversou com exclusividade com a empregada doméstica e costureira Elisângela Elenice Pereira, responsável pelas críticas ao prefeito. Ela disse que o ataque não tem segundas intenções e afastou a possibilidade de ter discursado por politicagem.

— O que eu quero deixar bem claro para sociedade é que isso não é uma jogada política — afirmou.

Ela ainda se defendeu alegando não ter influência política ou tido qualquer contato com parlamentares antes do vídeo.

— Eu não tenho nenhum envolvimento com política nem tenho pretensão. (...) Eu fiz isso porque estava engasgada, porque a sociedade precisava de um grito e eu tive que gritar — justificou.

Elisângela contou também não conhecer o responsável por filmar o vídeo no local e reforçou que os moradores não convidaram o prefeito para o local.

— Você pode perguntar para qualquer morador do bairro, ele não foi convidado. Ele foi convidado, com certeza, pelo dono do supermercado — finalizou.

Posicionamento

Dois dias após o ocorrido, no sábado, 4, a Prefeitura emitiu uma nota em repúdio às falas da moradora do mesmo bairro do supermercado. No texto, a atitude da cidadã é classificada como “agressões verbais e injúrias descabidas”, tendo uma fala “extremamente desrespeitosa”, que foge “a qualquer regra de civilidade”.

— Tais ofensas extrapolam o âmbito do da figura pública, ferindo os preceitos legais e de respeito que qualquer cidadão merece, independentemente de cargo, idade ou qualquer outro motivo — comunicou.

Ao contrário da afirmação de Elisângela, a Prefeitura disse que a visita do prefeito se deu após o convite do moradores para “anunciar o início da drenagem pluvial e asfaltamento da rua Guapé, no Belvedere, programados para começar nos próximos dias”. O investimento estimado é de R$ 1,5 milhão.

Ainda segundo o Executivo, instantes antes da gravação do vídeo, o prefeito teria explicado aos presentes que as obras de infraestrutura não ocorreram no início do mandato devido à retenção de repasses por parte do governo estadual.

A Prefeitura ainda destacou a importância de saber diferenciar liberdade de expressão de ofensa.

— É importante ressaltar ainda o profundo respeito da Administração Municipal pela liberdade de expressão de todos os divinopolitanos e a garantia constitucional de qualquer cidadão em se expressar para cobrar aquilo que lhe é de direito. Porém isso deve se dar dentro das normas de conduta e do respeito mútuo. Afinal, nos ensina a sabedoria popular que “uma alma sem respeito é uma morada em ruínas” — argumentou. 

Por fim, a Administração informou que “providências jurídicas estão sendo tomadas contra todos os envolvidos, inclusive, com o propósito de se descobrir qualquer interesse eleitoreiros por trás de tais atos”. 

Comentários
×