Respeito à vida

Laiz Soares 

A falta de humanismo, compaixão e o mínimo de amor ao próximo está presente em todos os lados. Isso chega a ser muito frustrante, quase desalentador, para aqueles que têm esperança e trabalham por dias melhores.Na semana em que o mundo todo parou para pedir que a o respeito à diversidade e a todos os seres humanos ocorra independente de com quem se relacionam nas suas vidas e a quem amam, as atrocidades no Brasil não param. Como é que poderemos discutir um nível elevado de consciência cidadã e ética a diversidade num país que comemora morte e rouba da boca de crianças, idosos, adultos e doentes a vida através de propina em vacinas? 

Vejamos: a política nada mais é do que um reflexo da nossa sociedade. Nós temos tantos políticos e funcionários públicos corruptos porque nos contentamos e normalizamos o jeitinho brasileiro, o desejo de sair por cima, de tirar vantagem, a visão de que a vida de uns vale mais do que a de outros e de que pode passar por cima de tudo e de todos pelos seus interesses. Esse é o Brasil que vive uma crise moral, ética, política e social profunda e sem precedentes. Nunca nossas mazelas sociais, culturais e morais estiveram tão expostas como feridas abertas clamando por um remédio que as cure. 

Vidas negras, vidas pobres, vidas LGBTQIA+, vidas de pessoas com covid importam e devem ser respeitadas e cuidadas acima de tudo. Todas as vidas valem o mesmo e nada é mais cristão do que lutar pelo respeito e preservação da dignidade humana e seu direito à liberdade de viver, se expressar e ser o que se é sem ser violentado, agredido, morto, negligenciado. 

O Brasil é um dos países que mais matam homossexuais e pessoas trans no mundo. Esse é o país do ódio, do preconceito e da intolerância em que queremos viver? E se fosse o seu filho ou sua filha? A falta de amor e empatia, a falta de respeito e de senso ético tomou conta da nossa sociedade sob pretextos religiosos desprezíveis. Jesus foi aquele que acolheu Madalena e disse: “Quem não tem pecado que atire a primeira pedra”. Hoje, milhares de supostos cristãos estão atirando pedras no próprio Cristo a cada vez que desejam ou fazem o mal a alguém que lhes é diferente, a cada vez que discriminam, apontam o dedo e rechaçam alguém que vive algo diferente da sua vida, que pensa diferente, que defende ideias diferentes. 

É nesse mundo do cão que estamos condenados a viver? É no Brasil que se normaliza escândalos de corrupção e escolhe seus políticos de estimação para se defender incondicionalmente? Eu tenho tido momentos de profunda tristeza e inconformismo com tantos absurdos que temos sido obrigados a conviver. Estamos num país onde a vida vale um dólar de propina. 

 

“O mais escandaloso nos escândalos é que nos habituamos a eles”, Simone de Beauvoir. 

Comentários
×