Reservatórios mineiros estão dentro dos volumes úteis

Jorge Guimarães

O inverno ainda não terminou, acaba no próximo dia 23, mas setembro já chegou com as temperaturas nas alturas, mostrando a cara do que podem ser as próximas estações. Como a previsão hidrológica para o mês ainda sinaliza permanência do quadro de estiagem, com vazões abaixo da média histórica, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu manter a bandeira tarifária na cor vermelha, patamar um, com custo de R$ 4 para cada 100 quilowatts-hora consumidos.

Setembro é típico do fim da estação seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN).

Transição

O mês é extremamente importante no Brasil, pelo fato de representar a transição do inverno para a primavera e, com isso, trazer mudanças no padrão de chuvas e temperatura em todo o país. E mais importante ainda para o setor energético, na geração de energia das principais bacias do Brasil.

Economizar

Com a bandeira indicando a cor vermelha, o consumidor tem a melhor informação para usar a energia elétrica de forma mais eficiente, sem desperdícios. Período que vale seguir várias dicas, como não demorar no banho, desligar os aparelhos eletrônicos das tomadas e outras tantas que todos já sabem de cor, mas às vezes não colocam em prática.

Reservatórios

Os maiores reservatórios de água em Minas Gerais estão, no momento, sem alarde, visto que o período chuvoso está prestes a começar, a partir da segunda quinzena de outubro. Três Marias está com 65,27% de sua capacidade, segundo informações da Cemig, e o de Furnas com 42,30% de volume útil, conforme o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Os números dão certa tranquilidade aos mineiros em relação a possíveis racionamentos.

Comentários
×