Renovação

Este PB abriu espaço na semana passada para cumprimentar a nova equipe de criação deste Diário pela linda capa produzida. Colocando várias edições lado a lado, consegue-se notar uma mudança extraordinária – especialmente para um jornal tradicionalíssimo, de 46 anos. De repente a jovialidade da capa de ontem reflete exatamente a mentalidade do jornalismo moderno. Aqui se faz um jornal de qualidade! De novo, parabéns a toda a equipe.

Galileu, Galileu!

 Como sempre, sem dinheiro e mostrando que pode fazer, o prefeito Galileu Machado está exercendo o quarto mandato. Em todos deixou sua marca, asfaltando ruas, construindo pontes e viadutos, melhorando e também levantando novas escolas. Se ganhou três eleições, é porque o povo aprovou.

 Agora... 

...também sem dinheiro, Galileu vai retomando a sua verve de tocador de obras e começou a asfaltar e dar um jeito nos buracos das ruas. Recentemente este PB comentou a respeito da avenida Gabriel Passos, no trecho logo após a Gerdau. Quem passa por lá está vendo novidades. O asfalto, cheio de buracos renitentes e resistentes, sobreviveu a três administrações seguidas. Bastou o “véio” assumir e lá se foram os buracos. Beleza! Assim, se quiser, continua por lá nas próximas eleições.

Dois crimes e...

...muita bala. À primeira vista, a impressão é de que aconteceram dois “acertos de contas” entre traficantes e usuários de drogas. Os dois lamentáveis acontecimentos apenas mostram a nova face de uma sociedade sem lugar para se esconder, com bandidos que não temem a morte e nem a prisão. Mata-se por qualquer tostão não pago na data certa. Com muitos tiros – muito mais do que os necessários para ficar livre de alguém. No mês passado, no mesmo dia, a polícia lidou com dois assassinatos. A cidade tem crescido em todos os aspectos. Mas, na criminalidade...

Estaca zero

O presidente anunciou um possível aumento do imposto de renda e foi obrigado a recuar algumas horas depois. Este PB comentou sobre o rombo que aconteceria nos salários, principalmente dos servidores públicos da ativa e de quem se aposentou. Sem qualquer reajuste, e vendo cortar mais 10% do seu salário, este país iria parar. Sorte que os políticos nesta hora sabem como pressionar. Deu certo. Pelo menos por enquanto, tudo volta à estaca zero.

Para eles, tudo! 

No Congresso já se discute parte da reforma política que virá até o fim do ano. Com dificuldades financeiras para as campanhas, pois as empreiteiras não podem mais bancar, os sabidos deputados inventaram o “distritão”, que nada mais é do que a posse dos mais votados. Pelas regras atuais, existe o quociente a ser atingido. O candidato bem votado, como aconteceu duas vezes com o jovem Matheus Costa, nem sempre toma posse. Será reparada uma injustiça, mas eles estão querendo isso apenas para as eleições de 2018. Para facilitar as reeleições.  Notou a jogada? É isso aí. Depois “a gente” muda as regras do jogo, disse um distraído deputado que participou de reunião nesta terça-feira em Brasília.

 

Comentários
×