Reabertura do Gravatá deu nova vida aos espetáculos

Primeiro semestre ficou comprometido por causa da covid-19

Da Redação

O primeiro semestre de 2021 não foi de muitas cores e alegrias para o segmento de cultura na cidade. Os produtores, artistas, músicos e todos aqueles ligados aos espetáculos do show business só enxergaram as cores vermelhas e roxas à sua frente. Mas, mesmo assim, diante de inúmeras dificuldades, o Grupo Baal de Teatro conseguiu, no início de março, apresentar a peça “A História do Zoológico”.  Voltou em cartaz em abril, sempre com apresentações realizadas no “Nosso Espaço Arte”. Houve ainda a apresentação de outros espetáculos do grupo, como “Entre Quatro Paredes”, “O Diário de Freud",  este em 13 de junho.

O mais esperado 

Mas o segundo semestre veio com cores diferentes, quando o amarelo e o verde se opuseram ao vermelho e roxo. Assim, todo um processo foi sendo realizado, como a liberação de mais pessoas em espaço culturais e a liberação de música ao vivo nos bares e restaurantes. E o apogeu veio em novembro, com a reabertura do Teatro Usina Gravatá, que reabriu as portas para as apresentações culturais na cidade. 

Atrações 

A primeira apresentação aconteceu no dia 2, com o 5º Festival de Dança Ballet Naduarte, com o tema de “O Pequeno Príncipe”. No dia seguinte, foi a vez do grupo Relevê Espaço de Dança apresentar um musical com o tema "Mundo da Imaginação, uma viagem pelas obras que inspiraram os grandes clássicos infantis”. No domingo, 5, aconteceu o 1º Festival do estúdio Zambak, com o tema: “Fotografia, se ela criasse vida como seria”. 

Daí para frente não parou, toda semana tinha espetáculos garantidos. A expectativa de todos da área cultural é que 2022 seja assim: agenda cheia para inúmeras atrações. 

 

Comentários
×