Quem sabe ainda sou uma garotinha

Leila Rodrigues

 

Que ninguém tente nos definir depois dos 40 pois vai se dar mal. Depois dos 40, somos o resultado das nossas lutas, das nossas experiências, noves fora as desavenças e multiplicado pela resiliência a cada tombo. A esta altura eu tenho certeza de que você não está mais pre-ocupada nem ocupada com o pensam de você. A esta altura, você já enfrentou um leão na jaula.

Agora sim, você poder trazer à tona a menina de olhos brilhantes que queria ser bailarina mas dançou mesmo foi nos idos anos 80 na boate da sua cidadezinha (no meu caso o saudoso Tio Patinhas).

Você pode trazer de volta a doce menina de mochila nas costas que queria ser Lidia Brondi ou cantar como a Paula Toller, mas se contentou em ser ela mesma depois que descobriu que este era o seu melhor papel. E o fez com maestria, transformando o pouco que tinha em algo muito além da paisagem. E olha que ela não usou os quadris para isso, nem o namorado lindo que as outras invejavam. Ela acordou cedo, pegou a estrada, enfrentou a chuva e soube esperar a hora certa de ver o sol se por às margens do rio Guaiba sob o som de Cleiton e Kledir. Você poderia trazer de volta qualquer uma delas embora isso agora não faça a menor diferença. Todas elas foram o que foram e isso foi o melhor. Hoje, elas são história. História de uma mulher que foi feliz nos seus tempos, em cada um deles.

Ela foi feliz aos 20 cantando com Djavan, aos 30 embalando suas crias e estudando para as provas, aos 40 aprendendo inglês e se desdobrando para dar conta do trio filhos, trabalho e estudo e ainda ontem eu a vi feliz da vida ao embarcar para MatchuPitchu com o melhor amigo. Ela descobriu que o grande segredo dos propósitos é ser feliz durante a caminhada. Sem vislumbre, sem ilusão. É uma felicidade tranquila, quase silenciosa, resultado do encantamento pela vida. Aquele “Feliz por nada” que Marta Medeiros escreve com maestria. Hoje ela não quer mais mudar o mundo, está ocupada demais mudando a si mesma. E isso dá um trabalho danado!

Os problemas continuam indo e vindo. As pessoas também. Mas hoje ela sabe que não vale a pena segurar ninguém. As pessoas saberão o caminho de volta. E se não voltarem é porque nunca estiveram com ela de fato. Será que ela aprendeu a amar? Pode ser! Prefiro dizer que ela aprendeu a viver! Viver e deixar que a vida aconteça no seu fluxo natural. Ela apenas segue vivendo e achando a vida melhor hoje do que há 20 anos atrás.

Ela não se envergonha nem se engrandece com nenhum fato da sua história. Apenas segue, com a certeza de que hoje ela sabe algo que as outras ainda não sabem mas elas vão chegar lá! Algo que não está implícito, que só os anos de salto, sangramento e escova no cabelo podem explicar. Pensando bem, Kassia Eller  estava certa, quem  sabe ainda sou uma garotinha?

leilarodrigues-palavras.blogspot.com.br

Comentários
×