Projeto traz saúde, educação e arte para crianças do Belvedere

Maria Tereza Oliveira

A arte e a cultura ajudam a construir a sociedade e, muitas vezes, têm papel importante na construção da personalidade. Quanto mais cedo se tem contato com a cultura, maiores são as chances de a criança descobrir um talento na arte e menor risco de se envolver com a criminalidade. O projeto “Saúde e Educação” surgiu da necessidade de ajudar crianças. Atualmente, a iniciativa conta com crianças de idades entre 0 e 13 anos. Para cultivar a arte nas crianças que fazem parte do projeto, no próximo dia 6, às 20h, será apresentada no Teatro Usina Gravatá a peça “A Formiguinha e a Neve”.

“Saúde e Educação”, no início, era voltado especificamente para a saúde. No entanto, com o passar do tempo, o projeto passou a fazer um trabalho voltado para reconstrução dos laços familiares e sociais das crianças.

Todos os profissionais que trabalham na iniciativa são voluntários. Atualmente, a equipe do projeto é composta por sete pessoas, dentre pedagogos, professores, psicólogos, engenheiros e assistentes sociais.

Teatro

As crianças que fazem parte do grupo são incentivadas à arte. Na programação de férias do Gravatá, elas apresentarão a peça “A Formiguinha e a Neve”.  O espetáculo conta a história de uma formiguinha que fica com o pé preso na neve. A protagonista, então, pede ajuda aos mais variados personagens que cruzam sem caminho, na esperança de conseguir escapar e voltar para casa.

— Através do dado do amor, de brincadeiras lúdicas, jogos pedagógicos,  dança, música, teatro, artesanato, ensinamos às crianças os bons valores e nós, adultos, aprendemos muito com elas também — destacou a diretora do projeto Janete Tavares.

A apresentação está marcada para dia 6, às 20h. 11 crianças, com idades entre sete e 13 anos, compõem o elenco.

Saúde e Educação

O projeto é uma iniciativa das diretoras Waldirene Silva e Janete Tavares. No começo, o grupo contou com o médico Juliano Gonçalves Resende. Ele atuava na Estratégia Saúde da Família (ESF) do bairro Belvedere, porém, por questões relacionadas à sua saúde, estava afastado da função. Além do médico, o psicólogo Romero Marcius Viegas Meireles e a pedagoga com a Júlia de Marilac Gonçalves sentiram a necessidade de ajudar crianças que eram encaminhadas para o posto. Na fase inicial do “Saúde e Educação”, o trabalho era realizado nas calçadas do bairro Belvedere.

Com a evolução da iniciativa, foi disponibilizada uma sala no posto de saúde daquele bairro. O grupo foi crescendo, assim como o número de voluntários. Logo, o projeto passou a realizar também trabalhos voltados para reconstrução dos laços familiares e sociais das crianças.

Em 2019, as atividades também passaram a ser realizadas nas casas das crianças que fazem parte do grupo. Em maio do ano passado, foi cedida uma casa e o projeto ganhou uma nova estrutura.

Atualmente, a iniciativa conta com uma biblioteca, uma brinquedoteca e um quintal grande para realizar diversas brincadeiras. Está nos planos dos idealizadores o acréscimo de uma horta no projeto.

Comentários
×