Projeto social pode acabar por falta de assinatura de secretário

Pollyanna Martins 

A manutenção das escolinhas de esportes do Grupo Educação, Ética e Cidadania (GEEC) está ameaçada, por causa da falta da assinatura do secretário municipal de Desenvolvimento Social, Juliano Prado. Durante pronunciamento na reunião ordinária nessa terça-feira, 19, o vereador Eduardo Print Júnior (SD) relatou que o presidente do grupo, Jomar Teodoro Gontijo, o procurou e revelou o problema que o projeto está enfrentando.

Segundo Print Júnior, o grupo recebe um recurso da VLI, por meio do Fundo para a Infância e Adolescência (FIA), para manter escolinhas de esportes na cidade. A verba é gerenciada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e, para executar as suas atividades, o projeto precisa da assinatura de Juliano Prado, em um termo aditivo.

De acordo com o coordenador do GEEC, Leonardo Gomes, o projeto atende atualmente 300 crianças e adolescentes, em cinco núcleos da cidade: no Poliesportivo, no CSU do bairro Interlagos, no campo de futebol dos bairros Candidés e Vila das Roseiras, no campo de futebol do bairro Icaraí e no Poliesportivo de Ermida. Além de aulas de futebol, futsal, vôlei e handebol, o grupo fornece lanches para as crianças e os adolescentes, e todo o trabalho é desenvolvido com recursos da VLI.

Ainda conforme explicou Leonardo, a equipe do projeto é formada por dois instrutores, um monitor e um assistente social. O coordenador do grupo esclareceu ainda que a VLI fez o primeiro repasse dos recursos, no valor de R$ 64.800, em março do ano passado, mas o convênio com a secretaria só foi assinado em fevereiro deste ano.

Segundo Leonardo, o projeto se mantém desde a assinatura do convênio, apenas com a primeira parcela enviada pela VLI e necessita dos R$ 129 mil referente à segunda parcela, para dar continuidade ao atendimento das crianças.

 Risco de paralisação

 De acordo com Print Júnior, o presidente do grupo informou que tem recursos suficientes apenas para pagar os salários dos monitores até 20 de julho. Sem a assinatura do documento, a equipe que atende o projeto terá de ser dispensada, pois não há verba disponível para a continuidade das atividades. Eduardo reforçou ainda que o dinheiro já está disponível, porém precisa apenas da assinatura do termo para ser disponibilizado e utilizado pelo GEEC. 

— Nessa parceria, a VLI banca o custeio [do projeto], com lei de incentivo. Os recursos caem no FIA, só que são geridos pela Secretaria de Desenvolvimento Social e a dificuldade é colocada pelo secretário Juliano Prado. Por que não se resolve antes de chegar ao estado de calamidade? — questionou.

Entraves 

De acordo com a vereadora Janete Aparecida (PSD), foi realizada uma reunião na manhã de quarta-feira, 20, entre Juliano Prado, o promotor da Vara da Infância e da Juventude, Carlos José Fortes, o coordenador do projeto, Leonardo Gomes, e outras entidades, para tratar dos recursos do FIA. Segundo a vereadora, que também participou do encontro, juntamente com Print Júnior, após a reunião Juliano Prado informou que já foram encontrados os entraves dos recursos e que o problema seria solucionado.

— A resposta não vai vir hoje, e não tem nada de concreto até agora — lamentou Janete.

O coordenador do GEEC informou que o secretário se comprometeu a providenciar a elaboração do aditivo para a liberação do repasse. Segundo Leonardo, dois funcionários do projeto foram dispensados quarta-feira desta semana e já estão de aviso prévio. O coordenador revelou que outros dois serão dispensados no próximo mês, caso Juliano Prado não disponibilize os recursos para o grupo em tempo hábil.

— Ele garantiu que o termo vai ser feito e nós vamos mais uma vez confiar na palavra dele — disse.

A Prefeitura 

A Prefeitura se limitou a informar que a Secretaria de Desenvolvimento Social já conversa com o GEEC para definir a situação.

 

 

Comentários
×