Proibido pedir dinheiro

 Prefeitos das cidades-polo de Minas Gerais, entre eles Galileu Machado (MDB), se reuniram com o governador eleito Romeu Zema (Novo), na tarde desta segunda-feira. Adivinha qual principal assunto da pauta? Dívida do Estado com os municípios. Isso mesmo. Porém, as notícias, pelo menos por enquanto, não são tão animadoras. Ficou acordado que os prefeitos não poderão pedir dinheiro ao governo. Zema vai apenas tentar regularizar os repasses. Exatamente isso. Tentar.

 Sem condições

 Apesar do encontro e da exposição dos prefeitos ao novo governador sobre a situação caótica, os repasses ainda não são garantidos. Zema deixou escapar que não tem condições de assumir o compromisso com os chefes do Executivo. Afirmou manter conversas com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), visando a renegociar a dívida do estado com a União, assim, teria como socorrer as prefeituras mesmo que somente parte dos valores devidos. Prenúncios de um início de 2019, difícil? Melhor dizer: inviável.

 Indignação e decepção

 Enquanto isso, no governo atual, até ontem, faltando apenas sete dias para o Natal, nada de anúncio ou esperança sobre 13º. O clima e o sentimento entre servidores não poderia ser outro a não ser melancolia, desilusão e indignação. Os salários continuam parcelados, atrasados e sem previsão para o pagamento do benefício. Mas não para por aí. Muitos estão endividados e, provavelmente, não conseguirão nem fazer um ceia na data mais especial para confraternização do ano. Mas, mesmo que pequena, há esperança de uma boa notícia hoje. Como ela é a última que morre, quem sabe!  

 Aqui e lá

 Se em Divinópolis o diálogo entre o Legislativo e Executivo deixa a desejar, em âmbito estadual não é diferente. Desta feita, a comunicação é considerada falha entre o governo e os sindicatos que representam os servidores.  O da Educação, por exemplo, critica a atitude com a categoria e, a exemplo da Saúde, não descarta a possibilidade de greve. Nesta altura do campeonato, não há nada pior, que não possa piorar ainda mais. Tem gente pagando para ver. Pode apostar!

 Na contramão

 Ao contrário da maioria das prefeituras de Minas, a da vizinha Itapecerica vem se destacando como um das únicas que estão conseguindo superar a crise imposta pela falta de repasse de recursos do Estado. Ainda que algumas adequações tenham sido necessárias, está conseguindo manter todas as contas em dia, assim como o salário dos funcionários, incluindo os professores, e dar andamento a obras e investimentos planejados. A dívida do Estado com o Município de cerca de 21 mil habitantes já passa dos R$ 4,7 milhões, mas o prefeito Wirley Reis – “Têko” (PHS) vai conseguir pagar o 13º. Vale lembrar que o ex-prefeito deixou dinheiro em caixa. Mas não se pode negar a competência do prefeito administrar, já que outros também deixaram, o que não impediu o endividamento das prefeituras.

 Se a moda pega

 O candidato para a Presidência da Câmara de Formiga, derrotado Sandrinho da Looping (PDT), incluiu entre suas propostas, a instalação de rastreadores em todos os veículos do Legislativo. Ele acatou a sugestão que surgiu durante conversa com cidadãos formiguenses. Para ele, a ideia é simples e muito importante e de interesse até mesmo dos vereadores, para que não restem dúvidas de que os veículos só são usados para atender aos interesses da população. O vereador que apresentou outras nove propostas, algumas semelhantes à dos carros, não foi eleito. Mas, não resta dúvida de que muita gente vai copiar. Além de muitos vereadores atuarem baseados no Ctrl c, Ctrl v, a proposta é sem dúvida, interessante.

Comentários
×