Procon de Divinópolis alerta consumidores sobre aumento de golpes virtuais

Da Redação

O Procon Municipal de Divinópolis alerta os consumidores quanto ao aumento do número de golpes que estão sendo praticados na contratação de empréstimos bancários e compra de produtos, por exemplo.

No primeiro caso, o consumidor geralmente é atraído via e-mail, WhatsApp e ou redes sociais (Facebook ou Instagram) com a oferta de crédito em conta com valores e juros bem atrativos. Após fazer contato com o suposto “agente”, o consumidor é informado quanto a obrigação de depositar de forma antecipada uma certa quantia a título de “seguro” ou “tarifa para aprovação de Crédito” entre outros encargos. Segundo o gerente do Procon, Ulisses Couto, "por si só essa prática já caracteriza o golpe, uma vez que é vedado por norma regulamentadora que instituições financeiras solicitem quaisquer valores prévios ou fora do valor das parcelas na concessão de empréstimo".

Lado outro, em razão das medidas de enfrentamento à pandemia, dentre elas o distanciamento social, os consumidores têm optado cada vez mais pela realização de compras através da internet. Segundo alguns especialistas, o incremento geral de vendas de e-commerce é quase 40% desde as primeiras recomendações de distanciamento social.

— É importante que o consumidor saiba como fazer uma compra na internet de forma segura, evitando que seja vítima de falsas empresas, que na maioria das vezes se aproveitam da situação para aplicar golpes — alerta o gerente do Procon.

Dentre as práticas mais comuns, a realização de compras em que jamais será enviado qualquer produto ou a simples captura de dados pessoais e financeiros do consumidor desavisado.

— Temos percebido nos nossos atendimentos uma preocupante crescente de reclamações de consumidores que foram vítimas de golpes — relatou Ulisses Couto.

Compras de produtos diversos

Também neste caso, o consumidor é atraído, via e-mail, redes sociais (Facebook ou Instagram) e até mesmo sites criados, com a oferta de produtos com preços tentadores. Nos dois primeiros casos, geralmente, os estelionatários utilizam nome de grandes empresas que atuam no mercado, via e-commerce (comércio eletrônico), para induzir o consumidor ao erro. Em tempos de pandemia o consumidor tem dado preferência para compras pela internet.

— Fiquem atentos! Não se iluda com as promoções recebidas através das redes sociais. Caso se sinta atraído, faça uma pesquisa. Entre no site oficial da loja para verificar mais detalhes. A mínima confiabilidade está no cadeado que aparece no campo superior esquerdo da página. Se a empresa for desconhecida, faça pesquisa no Google, site “Reclame Aqui” e outros instrumentos que permitam avaliar se está fazendo uma compra segura — informou.

Para evitar maiores dores de cabeça, o Procon informa algumas dicas de precaução para evitar que o consumidor mais desatento seja vítima de golpes:

- Verifique se no site consta o endereço comercial físico, telefones fixos da loja, CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas) e Razão Social do fornecedor.

- Ligue para o SAC da empresa se ficar desconfiado e peça os dados cadastrais.

- Leia a política de privacidade, de entrega, de trocas e devoluções da empresa.

- Todo cuidado é pouco com links de lojas virtuais encontrados em redes sociais e aplicativos de mensagens instantâneas. Evite sempre, principalmente se recebidos em grupos em que você não conhece os membros.

- Se o preço estiver muito abaixo da média do mercado, desconfie.

- Fique alerta a anúncios em aplicativos, principalmente os gratuitos e menos conhecidos, que costumam exibir um excesso de propagandas na tela. Por diversas vezes, alguns desenvolvedores não tomam cuidado com a fonte da publicidade, o que facilita a proliferação de anúncios falsos e infectados.

- Não clique em e-mail recebido de lojas que você não se cadastrou. Por isso, todo cuidado é pouco ao clicar em um link promocional enviado para a sua caixa de entrada de e-mail. Em primeiro lugar, tente lembrar se você se cadastrou mesmo para receber ofertas daquela loja.

- Dê preferência aos cartões de crédito virtuais. Ao fazer uma compra em um site do qual está desconfiado, procure usar um cartão virtual. Diversos bancos oferecem essa modalidade de cartão de crédito, que cria um número único para aquela compra e evita que o seu documento real seja compartilhado com o comerciante. Além disso, evite fazer o pagamento através de boleto bancário, porque é a forma de pagamento mais comum de ser fraudada.

- Fique atento ao domínio do site. É comum que criminosos criem páginas bastante similares a lojas e ações promocionais para enganar consumidores. Portanto, ao clicar em algum link, observe bem o endereço que aparece no seu navegador. Seja no celular ou no computador, procure por um cadeado no canto esquerdo da barra e veja se esta é uma conexão segura, bem como se o domínio está registrado e possui certificados de segurança.

- Outro indício de golpe é a qualidade da construção da página. Se o site tiver imagens e menus fora do lugar ou até mesmo erros de português, é bastante provável que se trata de um endereço falso.

- Confira se a loja virtual está cadastrada na Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, se possui certificação da E-bit, se está lista de sites não recomendados do Procon-SP, se tem registro de reclamações no Procon Divinópolis, se tem reclamações no Reclame Aqui, e a informação da reputação e o índice de resolução das reclamações.

- Salve todos os documentos e e-mails que confirmem o pedido e comprovem a compra, tais como os comprovantes, da oferta anunciada, do pedido, de pagamento, nota fiscal etc. Essas informações são muito importantes caso necessite de posterior contato com a loja, para eventuais contestações e reclamações, inclusive junto aos Procons e até mesmo para propor ação judicial, se necessário.

- Procure informações sobre a experiência de compra de consumidores que já compraram na loja.

- Evite utilizar computadores de terceiros quando for fazer alguma compra on-line.

- Utilize sempre que possível computadores e smartphones que possuam antivírus atualizado.

Pagamento de parcelas ou liquidação de contratos 

- Vêm sendo muito frequente também as reclamações de fraudes de boletos para pagamento de parcelas ou quitação de empréstimos e financiamentos bancários. O consumidor deve estar atento às dicas a seguir para não haver risco de sofrer prejuízos.

- Quando for necessário solicitar boletos para pagamento, dê preferência pela solicitação diretamente na agência ou correspondente bancário. Não sendo possível, sempre entre em contato com os canais oficiais de comunicação das instituições financeiras, que podem ser encontrados no site da instituição.

- A grande maioria dos bancos e financeiras disponibiliza meios de emissão de 2ª via de boletos a partir de seus sites oficiais ou mesmo através do internet banking. É uma ferramenta geralmente segura.

- O consumidor pode solicitar ainda emissão de 2ª via de boleto por canais de telefone da instituição financeira. Geralmente nesses casos o boleto é enviado por e-mail próprio com domínio da instituição financeira, como por exemplo "atendimento@onomedobanco.br". Se o nome do banco não estiver constando, desconfie. Evite também o recebimento de boletos pelo WhatsApp ou outro meio eletrônico.

- Em qualquer caso de recebimento de boleto por e-mail ou por WhatsApp, para confirmar sua autenticidade, recomendamos que antes de fazer o pagamento, o consumidor verifique se a logo ou nome do banco estampada corresponde ao código do banco que vem ao lado, e também aos 3 primeiros dígitos da linha digitável, que é a representação numérica do código de barras. Se ainda persistir dúvida, recomendamos que entre em contato com os canais de atendimento oficiais do banco para confirmar a autenticidade do boleto.

-  Na dúvida, não faça o pagamento e procure ajuda.

— Estando atento às dicas acima, as chances de ser vítima de golpes diminuem consideravelmente. Caso constate alguma ocorrência, procure imediatamente o Procon e/ou a delegacia de polícia para relatar o fato e obter maiores informações — finalizou Ulisses Couto.

O Procon Divinópolis está realizando atendimentos presenciais de segunda a sexta-feira, no horário de 08h às 16:30h, mediante prévio agendamento pelo AppDivinópolis, na aba do Procon. O endereço é rua Pernambuco, 60, 9º, no centro, e o atendimento é exclusivo para residentes no município de Divinópolis. 

Alternativamente, o próprio consumidor poderá fazer sua reclamação por meio da plataforma www.consumidor.gov.br do Ministério da Justiça, que é uma central de conciliação auxiliar dos Procons.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Comentários
×