Pressão?

Preto no Branco 

A disputa pela Prefeitura de Divinópolis envolve não somente muitos candidatos, mas outras situações comuns neste período: partido grande tentando puxar outros menores para ter mais tempo de TV, nem que isso custe a renúncia de alguns dirigentes que comandam estas siglas na cidade; e a política tradicional fazendo o mesmo do mesmo. Mas não pense que vai ficar barato. Alguns presidentes de diretórios municipais são categóricos ao afirmar que a sigla não será “puxadinho de ninguém”. E estão certos, essa história da “velha política” decidir já está caduca. Ou aposta em uma renovação completa, ou apenas concorda com a continuidade do sistema. Simples assim!

Imperdoável 

O presidente do PSB em Divinópolis, André Ferreira, disse à coluna que o presidente estadual da do partido, Vilson da Fetaemg, quer entregar o PSB para apoiar a possível chapa Jaime Martins (DEM) e Fabiano Tolentino (CDN). Ele afirma que, se a sigla optar por apoiar os “coronéis”, eles terão que os expulsar da direção local e assumir uma dívida histórica imperdoável. Situação que promete dar “pano para manga”. 

Abominável 

Não tem um ditado bem conhecido que diz: “Homem é tudo igual, só muda de endereço”? Pois é. Nem sempre, mas na política é bem assim. Quase 100% dos políticos brasileiros prometeram abandonar as “velhas práticas”, a começar pelo atual presidente da República. No entanto, nada mais são do que a personificação da “antiga e coronelista política” praticada no país. O que é mais do que vergonhoso, é nojento.

Oportunista 

A “velha política” é a política da conveniência, seja nos discursos, seja em ações práticas. É quando  o cargo serve a benefício próprio, e não ao povo. Acontece noite e dia neste país, incluindo Divinópolis, é claro, com o interesse individual sempre sobressaindo ao coletivo. Pode-se comparar, por exemplo, quando os interesses das grandes corporações, bancos e empresas são colocados acima dos interesses dos trabalhadores. Resumindo em miúdos, a população paga o pato. Até quando? Até quando convier às autoridades e o povo continuar assistindo de braços cruzados.

Novo 

Pressupõe-se que o novo político deve ter a simplicidade de um vendedor, agregar valor ao cliente, estar disposto a ouvir e acatar sugestões e atender às suas necessidades quando é solicitado, não somente em período de campanha eleitoral.  É o que descreve a cientista social e política, Elis Radmann, fundadora do Instituto de Pesquisa e Opinião (IPO). Características fundamentais como a honestidade, transparência e a simplicidade, devem ser levadas em conta por todo eleitor que deseja o melhor para sua cidade, estado e nação. Vale ressaltar que isso independe do grau de instrução. Caso nada disso seja demonstrado por quem pretende representar o povo, bastar virar as costas e dar tchau. 

Normas 

Atendendo à determinação da Justiça Eleitoral, desde o último dia 15, a Prefeitura suspendeu todo o conteúdo jornalístico. A Câmara segue o mesmo caminho. Interrompeu na mesma data as coberturas de atividades legislativas institucionais e também as ações dos vereadores por meio dos seus canais nas redes sociais.Isso vale para os órgãos administrativos nos quais existem cargos em disputa, como o atual prefeito e, certamente, todos os vereadores. Ainda bem que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impões estes limites, sendo muitas vezes desrespeitados. Imagine se a coisa corresse solta? Casa da mãe Joana mandaria lembranças.

Redes 

Mas não se engane. Quando a coisa fluir mesmo, a partir do próximo mês, se tem um lugar que promete pegar fogo são as redes sociais. Aliás, vem ocorrendo já há um bom tempo, mas “meio que na surdina”, por alguns. Quem não se lembra que as últimas eleições foram marcadas pelo uso em grande escala na internet, quando o eleitor demonstrou forte sentimento popular de falta de representatividade política? O cenário se repete em 2020 e pode ser pior se a pandemia persistir. Sem o contato, as exibições nas redes devem triplicar. Aí, sim, vai ter muita gente pedindo ajuda do Céu para o ano acabar, mais até do que pela pandemia.  

 

Comentários
×