Presidente do CMS registra boletim de ocorrência após receber ataques virtuais

Warlon Carlos relada possível participação do prefeito que, segundo ele, incita seus apoiadores a promover ameaças contra sua pessoa

Bruno Bueno

Mesmo Divinópolis contabilizando, na tarde de hoje, 15, sua 289º morte em decorrência do coronavírus, o foco da cidade nesta quinta foi outro. Ainda se trata da decisão judicial, vinda após solicitação do Estado e do governador Romeu Zema (Novo), que pediu por meio judicial, a suspensão imediata da nota explicativa do Decreto Municipal nº14.298/21, que flexibilizava a onda roxa no município. Sendo assim, a cidade amanheceu com o comércio não essencial totalmente fechado.

A determinação da justiça causou indignação em grande parte da população, incluindo o prefeito Gleidson Azevedo (PSC), que, juntamente do vereador Flávio Marra (Patriota), gravou um vídeo nas redes sociais atribuindo a culpa do fechamento ao governador de Minas e em denúncias da oposição.

— Eu nunca quis fechar o comércio. Pior que o Zema é só a oposição. Se tiver essa decisão, é porque eles sempre me atacam desde que comecei meu mandato, inclusive denunciando ao Ministério Público. A gente tenta flexibilizar o comércio, aí vem o Conselho Municipal de Saúde (CMS) e vai lá e denuncia — disse.

A insatisfação do chefe do Executivo gerou repercussão nas redes sociais. Na tarde desta quinta, uma foto, contendo a foto de Warlon Carlos Elias, presidente do Conselho Municipal de Saúde (CMS), vereadora Lohanna França (CDN) e ex-candidata à Prefeitura, Laiz Soares (Solidariedade), juntamente do número de seus respectivos telefones circulou na internet. A montagem atribui o fechamento do comércio aos três.

— Se ficar desempregado, chame um deles. Esses são os verdadeiros responsáveis pelo novo fechamento do comércio. Denunciantes do Ministério Público — afirma o texto contido na figura.

Ataque

Warlon, que vem recebendo críticas desde que apresentou uma denúncia ao Ministério Público afirmando que a Prefeitura apresenta uma má condução das ações durante a pandemia, foi duramente atacado nas redes sociais. Indignado com a situação, o presidente da CMS registrou um boletim de ocorrência na delegacia de Polícia Civil de Divinópolis.

— Me sinto indignado ao ver uma fala desconexa do prefeito provocar uma fake news que me coloca numa situação ameaçadora. Atribuir culpa a terceiros não resolve problemas, um gestor tem que assumir suas responsabilidades — disse a reportagem.

Boletim

O Agora teve acesso com exclusividade ao documento onde Warlon relata as ameaças que vem sofrendo.
— Compareceu a esta delegacia de Polícia, o Sr. Warlon, que relata que está recebendo constantes ameaças de diversas pessoas por todos os meios de comunicação, entre elas ligações, Whatsapp, Facebook, etc — diz o BO.

No boletim, Warlon afirma que as ameaças começaram após o vídeo divulgado por Gleidson Azevedo.

— Segundo Warlon, estas ameaças começaram quando o prefeito juntamente do vereador Flávio Marra (Patriota) postou um vídeo em diversas mídias responsabilizando o Conselho Municipal de Saúde por fechar o comércio da cidade — afirma.

O presidente do Conselho Municipal de Saúde ainda diz que o prefeito de Divinópolis é possível responsável pelos ataques, ao incitar seus apoiadores a invadirem suas redes sociais.

— Warlon se diz indignado pelo fato de que o prefeito indiretamente responsabiliza o Conselho Municipal e não o Governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), que foi responsável pelo decreto. Afirma ainda que o prefeito divulga seu endereço virtual, fazendo incitação para que a população o ataque virtualmente. Ele foi orientado a juntar todos os vídeos, ameaças escritas e demais provas para apresentação à autoridade policial competente para as devidas providências cabíveis — completou.

Vereador

Warlon vem sendo bastante criticado por alguns vereadores que fazem parte do grupo de apoiadores do governo municipal. Eduardo Azevedo (PSC), irmão do chefe do Executivo, citou o presidente do CMS em sua fala na 20º Reunião Ordinária da Câmara Municipal, ocorrida na tarde desta quinta, 15.

— O tema que foi mais debatido nesta tarde aqui na Câmara foi justamente a atitude covarde, do nosso presidente do Conselho Municipal de Saúde, Warlon Carlos Elias. Você está satisfeito com a situação que você promoveu agora? Warlon, a eleição já passou, cara. As campanhas eleitorais acabaram em novembro e o seu candidato perdeu a eleição. Então eu vou dizer o seguinte: “Aceita que dói menos”. Você está prejudicando uma cidade inteira. E você é tão hipócrita, não só você, como ex- candidatos a prefeito que ficam aí nas redes sociais debatendo contra o governo, que são a favor do fecha tudo — disse ao presidente.

O parlamentar continuou as críticas, atribuindo o fechamento do comércio à denúncia realizada por Warlon.

— E agora Warlon? Você está satisfeito com o que você fez? Você provocou tanto o Ministério Público, provocou tanto que ontem saiu a liminar e agora a cidade tá fechada. O seu salário, Warlon, tá garantido no final do mês. O seu tá. Mas sabe qual é o meu grande medo, o meu grande receio? É que neste abre e fecha alguns não conseguem mais voltar. Sabe o que tinha que acontecer? É refletir no seu bolso, Warlon. Refletir no bolso de quem é a favor de fechar o comércio. Porque enquanto seu salário tá caindo, tá garantido, é muito bom, é muito tranquilo. É muito fácil mandar fechar — completou.

Boletim de Ocorrência (Foto: Divulgação)

 

Comentários
×