Presidente da Junta de Recursos denuncia vereadores por omissão

 

 

Da Redação

O presidente da Junta de Recursos do Instituto de Previdência dos Servidores de Divinópolis (Diviprev), Darly Salvador, usou a Tribuna Livre nessa quinta-feira, 21, e acusou os vereadores de omissão. Ele protocolou, na Casa, denúncias sobre possíveis irregularidades no Instituto quando o vereador Adair Otaviano (MDB) era presidente, mas reclama que nada foi feito.

— Acredito que esta Casa tem como prerrogativa e atribuições fiscalizar, investigar e dar publicidade a tudo que se refere aos servidores municipais e à autarquia que é o Diviprev. E, desta maneira, o atual presidente desta Casa, senhor Rodrigo Kaboja (PSL) se comporta da mesma maneira, omisso – ressalta.

Darly questionou o motivo de todas as vezes que é proposta uma reestruturação no Instituto, os poderes querem apenas alterar o que diz respeito aos servidores. O presidente da junta perguntou também por que as gestões do Instituto não são investigadas e analisadas de forma correta.

— Será que nesta Casa os edis que a representam não têm como informação que o mínimo que se teria que se fazer era abrir uma CPI, para que todos tivessem conhecimento do que acontece dentro do Diviprev? – questiona.

Audiência Pública

O presidente da Junta relembrou, ainda, a última audiência pública realizada na Câmara para discutir a situação do Diviprev, onde um fato “bem claro e notório, por parte do líder do governo nesta Casa, de me impedir de participar da mesa”. Darly denunciou também que houve uma chantagem, por parte do Executivo, para que fosse aprovado o parcelamento dos repasses que a Prefeitura tem em atraso com o Instituto. Ele classificou a chantagem como “clara, absurda e abusiva”.

— O nosso salário virou moeda de troca. Vocês não têm curiosidade de saber como funciona gestão do Diviprev? Quem ocupa seus cargos, e se eles ocupam corretamente? Vocês não têm curiosidade de fiscalizar e analisar o que o Diviprev gasta mensalmente? – perguntou.

Darly questionou ainda se as denúncias feitas por ele em outros órgãos, e também na Câmara, não era atribuição de os vereadores investigarem. O presidente chegou a dizer que os vereadores estão “presos” à Prefeitura, assim como o Conselho do Diviprev, por causa dos “apadrinhamentos”.

— A omissão desta Casa é uma decepção para munícipes de Divinópolis e para os servidores públicos. Os edis estão lá, presos com os seus conchavos, com os seus apadrinhamentos, e não podem ir contra o Executivo – denuncia.

Líder do Governo

O presidente da junta criticou ainda a atuação do líder do governo na Casa, Eduardo Print Júnior (SD).

— A Junta de Recurso é a mais alta corte que existe dentro do Diviprev. Se ela votou algo, deliberou, no mínimo tem que ser respeitado, no mínimo tem que ser investigado, e essa Casa ao meu ver prevaricou no mandato do senhor Adair Otaviano, e está prevaricando agora no mandato do senhor Kaboja – enfatiza.

Adair, por sua vez, negou as acusações durante sua fala e disse que foi um dos únicos que teve coragem de falar junto aos sindicatos que era contra a aprovação do projeto.

Segregação de massas

O presidente da Junta pediu ainda a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as irregularidades no Instituto, e questionou a entrada do projeto na Casa, sem o conhecimento dos servidores públicos.

— Os servidores não aprovam este projeto. O Executivo quer enfiá-lo goela abaixo, mas goela abaixo não vai, porque nós vamos recorrer a outros órgãos da lei – avisa.

Comentários
×