Prefixo não é palavra

Elmo Fernandes 

Os prefixos são elementos de composição de palavras que carregam algum valor semântico, mas não tem autonomia de palavra, por isso não podem ser usados autonomamente, isoladamente em um texto.

Exemplos: des, in, a, ex, mega, auto, pós, hiper, super, bi, tri, tetra, penta, afro etc.

Embora o prefixo “mega” transmita a ideia de grande, não é grande. “Grande” é adjetivo; “mega”, não.

Você pode escrever “um grande campeonato”, mas não pode escrever “um mega campeonato”, pois “mega” é prefixo, tem de estar “agarrado” à palavra, portanto você deve escrever “um megacampeonato”.

Da mesma forma, as grafias corretas são:

Estou superdecepcionado com você.

É uma comunidade afrodescendente.

Era um pseudocompositor de sambas.

Ela ficou hipertriste com aquela notícia.

Eu me autopenteio todos os dias.

Pode parecer estranho, mas acostume-se a nunca separar o prefixo do radical. Escrever hiper triste é um erro tão grave quanto:

Ele foi in capaz de resolver o problema.

Ele teve uma atitude a normal.

Preciso des fazer a pintura.

Ele gostaria de em riquecer como artista.

Prof. Jáder Cavalcante

 

Curiosidades

A origem do Carnaval

Carnaval é uma tradicional festa popular realizada em diferentes locais do mundo, sendo a mais celebrada no Brasil. Apesar do forte secularismo presente no Carnaval, a festa é tradicionalmente ligada ao catolicismo, uma vez que sua celebração antecede a Quaresma. O Carnaval não é uma invenção brasileira, pois sua origem remonta à Antiguidade.

A palavra Carnaval é originária do latim, carnis levale, cujo significado é “retirar a carne”. Esse sentido está relacionado ao jejum que deveria ser realizado durante a Quaresma e também ao controle dos prazeres mundanos. Isso demonstra uma tentativa da Igreja Católica de controlar os desejos dos fiéis.

 

Procure sua camisa

Um grupo de 50 alunos participava de um seminário, de repente, o professor parou de falar e começou a dar uma camiseta a cada um.

 Ele convida cada um a escrever nela seu nome com um marcador.

 Em seguida, todas as camisetas foram recolhidas e colocadas em outra sala.  O professor pede aos participantes que entrem na sala e localizem a camiseta em que está seu nome, em menos de 5 minutos.

 Todos correm para a sala e freneticamente começam a procurar por seu nome.  As pessoas empurram-se e pisam-se em desordem total.

 Após 5 minutos ninguém conseguiu encontrar sua própria camiseta.

 Então o mestre disse:

 "Agora, peguem aleatoriamente uma camiseta e entreguem à pessoa cujo nome está escrito nela".

 Em alguns minutos, cada um recebeu a sua camiseta.

 O professor então disse: "O que fizemos é exatamente o que está acontecendo em nossas vidas, todos estão procurando desesperados por sua própria felicidade, sem se preocupar com a felicidade do outro”.

 E por isso digo, que se você ajudar o outro a encontrar sua felicidade, também terá felicidade em sua vida.  E essa é a missão dos homens na Terra!

 Aprenda a colocar um sorriso no rosto de alguém, e você também terá um sorriso.

 Que ninguém procure apenas seu próprio interesse;

 Que cada um também considere os interesses do outro.

 

Reflexão bíblica

“Alegrem-se na esperança, sejam pacientes na tribulação, preservem na oração” Romanos 12:12.

Ria... Por favor!!!

Joãozinho chegou muito atrasado à escola, e a professora perguntou:

— O que aconteceu?

— Fui atacado por um crocodilo!

— Oh, meu Deus! E você se machucou?

— Machucar não, mas o trabalho de matemática ele comeu todinho...

 

Das pérolas de Minas...

Só os mineiros conseguem ler...

Sapassado, taveu na cuzinha tomando uma picumel e cuzinhando um kidicarne com mastumate pra fazê uma macarronada com galinhassada... Quascaí de susto, quando ouvi um barui de dendoforno, pareceno um tidiguerra. A receita mandopô midipipoca dentro da galinha prassá. O forno isquentô, o mistorô e o fiofó da galinha ispludiu!
Nossinhora! Fiquei branco quinein um lidileite. Foi um trem doidimais!
Quascaí dendapia! Fiquei sensabê doncovim, proncovô, oncotô.
Óiprocevê quelucura!
Grazadeus ninguém simaxucô!
Humbração procêis!

 

Máximas do professor Carlinhos

  • Conselho eficaz: quem não deve, não precisa pagar.
  • Numa balada:
    — Oi, lindona, eu não tiro os olhos de você — diz ele
    — Inda bem, né? Senão eu fico cega — responde ela.
  • Alguém já me mandou criar juízo, mas eu não sei o que ele come.
  • Aquela loirinha era tão bem educada que, quando se olhava no espelho, se cumprimentava.

 

Comentários
×