Prefeitura reforça processo para volta das aulas presenciais

Vigilância Sanitária inicia hoje vistorias in loco para avaliar condições estruturais das escolas; feirões e cinemas estão liberados

Matheus Augusto

Assim como o comércio, as escolas vão voltar a funcionar gradualmente. A recomendação, neste primeiro momento, é para a volta apenas do 3º ano do ensino médio. O retorno para as unidades que conseguirem a autorização municipal será na próxima segunda-feira, 5. A Prefeitura inicia hoje as vistorias para avaliar se os locais estão devidamente adequados às normas estabelecidas para segurança dos alunos e dos servidores. Mesmo com a adoção das cautelas, os profissionais da área não estão satisfeitos com a decisão.

Volta às aulas

Em mais um passo para o retorno, a Prefeitura recebeu ontem o ex-secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira. Ele esteve no Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente (Caic), no bairro Serra Verde, para prestar uma consultoria sobre os protocolos a serem adotados nas unidades educacionais.

O secretário municipal de Saúde, Amarildo Sousa, acompanhou o epidemiologista.

 O Wanderson está apoiando algumas secretarias, como a de São Paulo, de Pernambuco, nessa adaptação das escolas, do retorno às aulas, dessas possibilidade e necessidade que temos agora de retomar atividades essenciais com cuidado e conviver com essa nova realidade da pandemia — destacou.

Ainda de acordo com Amarildo, é impossível precisar com exata certeza o momento ideal para a volta das aulas, mas é totalmente possível estabelecer normas para um retorno seguro. Ele ainda aproveitou a oportunidade para reforçar as medidas de prevenção à covid-19 para evitar que as flexibilizações proporcionadas até o momento não sejam revogadas com a regressão de onda no Minas Consciente.

— Se isso tudo for desrespeitado, o geral vai ser prejudicado e corremos o risco de outros segmento econômicos serem fechados — finalizou.

O ex-secretário nacional elogiou a estrutura da unidade de ensino que visitou.

— Nós temos temos que lembrar que a escola é a mesma de antes da pandemia, o que estamos fazendo no Brasil inteiro é vendo quais são as adequações possíveis para um retorno seguro — comentou.

Ele também citou sua participação em debates nacionais e internacionais sobre o tema e destacou a complexidade da decisão para o poder público, pais e alunos.

— As experiências internacionais são muito exitosas — pontuou.

Por fim, Wanderson disse que, seguindo as medidas de prevenção, cidade em situações mais confortáveis, “como Divinópolis”, podem autorizar a volta às aulas.

Procedimentos

Para retomarem as aulas, cada escola precisa enviar um documento à Vigilância Sanitária, explicou a gerente administrativa do setor, Erika Camargo.

— Elas [escolas] mandam o protocolo e nós analisamos se estão cumprindo todos os itens que foram enviados através do checklist — explicou.

Caso o documento cumpra as determinações, será agendada uma vistoria in loco para avaliar se a realidade está conforme o declarado. Apenas após essa segunda aprovação será autorizado o retorno.

Erika ainda destaca que a volta será gradual, “com a preparação de toda a comunidade escolar”, para que todos tenham conhecimento da “nova forma de escola”. Segundo a Prefeitura, a primeira visita será amanhã.

Para a diretora em Vigilância em Saúde, Janice Soares, o principal ponto é respeitar as decisões das famílias.

— É muito importante a gente frisar que os pais têm autonomia para decidir se os filhos voltam ou não para a escola — ressaltou. 

Segundo ela, porém, foi percebida uma “janela de oportunidade para começar o retorno gradual e seguro das escolas”. O protocolo estabelecido, por exemplo, possui inclusive orientações para caso um aluno ou servidor se contamine. Neste caso, deverá ser afastado das atividades presenciais. A secretaria tentará identificar as pessoas com quem o paciente deve contato e também recomendar o afastamento. 

Sindicato

O Sindicato dos Trabalhadores da Educação Municipal do Município de Divinópolis (Sintemmd) é contra a voltas às aulas na cidade. Em nota, a organização afirma que “não existem indícios científicos que garantam integralmente a saúde e a vida dos trabalhadores da educação e da comunidade escolar”.

O sindicato também alerta para a impossibilidade de controlar a situação.

— As unidades educacionais são dotadas, em sua maioria, de potenciais vetores de contágio ‒ crianças e jovens ‒ e que mantêm grande convívio com vários cidadãos que constam em grupos de risco.  Os professores, em número significativo, trabalham em mais de uma instituição, intensificando a circulação do vírus e inevitavelmente aumentando a propagação da pandemia — explicou.

Por fim, o Sintemmd alega não existir condições físicas adequadas que permitam um ambiente seguro.

— É necessário destacar a precariedade das estruturas físicas das unidades escolares municipais. A maiorias das unidades não têm lavatórios suficientes, não há recipientes para sabão líquido e toalhas de papel, a circulação do ar é comprometida em várias unidades por serem casas adaptadas para o funcionamento escolar. Determinam o retorno, mas não estipulam uma estrutura das unidades para o recebimento da comunidade escolar — finaliza.

Podem funcionar  

Enquanto é decidido quais escolas e etapa do ensino vão voltar, outros segmentos que estavam fechados já têm autorização para funcionar. Por permanecer na onda verde, o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus permitiu em reunião a volta de atividades de lazer como cinemas, teatro, parques de diversão, fliperamas e outros, desde que os responsáveis enviem protocolo para a Vigilância Sanitária e que seja aprovado. Os jogos de sinuca em bares estão permitidos, desde que as mesas e os tacos sejam higienizados constantemente.

 

Os feirões de veículos também estão liberados, mas as medidas sanitárias precisam ser respeitadas. Em caso de test-drive, a pessoa que acompanha o motorista durante o processo deverá sentar no banco de trás, à direita, respeitando o distanciamento.

De acordo com a Prefeitura, as ações de fiscalização são constantes, com o apoio da Polícia Militar (PM). Em caso de descumprimento das deliberações, o infrator poderá ser penalizado com multa e cassação do alvará. Qualquer pessoa pode denunciar irregularidades pelo App Divinópolis, disponível nas lojas de aplicativos para celular.

Comentários
×