Prefeitura diz que se baseia em lei para não conceder recomposição aos servidores

Norma é valida até do dia 31 de dezembro deste ano

Da Redação

O protesto dos Os sindicatos dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e da Região Centro-Oeste de Minas Gerais (Sintram) e dos Trabalhadores da Educação Municipal de Divinópolis (Sintemmd) nesta sexta na porta do Centro Administrativo foi acalorado. Os líderes sindicais e alguns servidores foram tentar intimidar o prefeito Gleidson Azevedo (PSC) para que ele volte atrás e conceda o pagamento da recomposição salarial de 2021. No entanto, os gritos e bate bocas entre as parte devem não terminar em nada, prevalecendo à decisão do prefeito.

O Executivo diz se basear no estabelecido na Lei Complementar Nº 173, de 27 de maio de 2020. Conforme a norma, os municípios estão expressamente vedados de conceder até 31/12/2021 “a qualquer título, vantagem, aumento, reajuste ou adequação de remuneração a membros de Poder ou de órgão, servidores...”

— Reforçamos que essa decisão é temporária, em virtude dos auxílios financeiros despendidos pelo Governo Federal aos Municípios em 2020, o que acarretou na promulgação da referida legislação — diz a decisão.

Valorização

Os sindicatos não concordam que a Lei 173 seja um impedimento e pelas redes sociais, o cobram a valorização dos servidores.

— Prefeito Gleidson Azevedo e vice Janete Aparecida, cadê a valorização do funcionalismo municipal? Revisão salarial é direito básico de todo trabalhador! Vários municípios já cumpriram — argumentam.

Comentários
×