Prefeitura aumenta ações para combater febre maculosa

 

Maria Tereza Oliveira

O Teatro Gravatá e a Escola de Música passaram por dedetização ontem. A ação é em prevenção da febre maculosa, e foi realizada por equipes da Vigilância em Saúde. As áreas externas dos locais foram dedetizadas para prevenir e exterminar a presença de carrapatos.

Mais dois casos de febre maculosa são investigados pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). Duas crianças com idades de dois anos e meio e dez anos tiveram amostras de sangue colhidas e enviadas à Fundação Ezequiel Dias (Funed), em Belo Horizonte, para análise.

Até agora, Divinópolis é líder no ranking de casos da doença com quatro registrados.

Neste ano já foram contabilizados três mortes na cidade em decorrência da doença. A primeira vítima da febre da maculosa foi uma jovem de 24 anos, no dia 1º de julho. Depois dela, um idoso de 81 morreu no dia 24 do mesmo mês. A última morte, até o momento, ocorreu último dia 4. Um senhor de 63 anos, deu entrada na UPA, mas foi transferido para a Sala Vermelha do Complexo de Saúde São João de Deus, onde morreu.

Todas as três vítimas fatais estiveram no Parque da Ilha dias antes de terem os primeiros sintomas. 

Interdições e dedetizações

Além do Gravatá e a Escola de Música, diversos lugares da cidade, principalmente campos de futebol e escolas, estão passando por dedetização para combate do carrapato estrela, transmissor da febre amarela.

De acordo com a coordenadora do teatro, Samira Cunha, a medida é para proteger os usuários.

— A dedetização na área externa é para garantir a saúde dos usuários, de todas as pessoas que passam pelo complexo cultural, uma vez que tanto o teatro como a escola já receberam dedetização anteriormente — explica.

Os locais dedetizados não tiveram registro de carrapatos na área interna. O Prolongamento Bom Pastor passou por dedetizações, num total de 16 casas próximas ao rio Itapecerica.

Professores encontraram um carrapato em uma criança no Centro Municipal Educacional Infantil (Cemei) Rafael Nunes no bairro Santa Lúcia. A instituição passou por dedetização.

Ministério Público

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) informou à reportagem do Agora que existe um procedimento para apurar as medidas que a Prefeitura da cidade vem adotando no controle de carrapatos, transmissores da febre maculosa, e da população de capivaras, principal hospedeiro do carrapato estrela.

A assessoria de comunicação disse que há um inquérito em andamento sobre a situação das capivaras na cidade.

A Prefeitura informou que não foi notificada.

— O caso está sendo estudado para ver quais medidas podem ser tomadas — explicou.

Comentários
×