Prefeitos de 54 cidades vão assumir obra do Hospital Regional, diz vereador

Ricardo Welbert

O vereador Marcos Vinícius (Pros) disse na tarde desta terça-feira, 12, durante pronunciamento na tribuna da Câmara de Divinópolis, que as obras do Hospital Público Regional, paradas por falta de investimentos públicos do Estado e também do Município, serão retomadas por 54 prefeituras da região. Ainda segundo o legislador, a solução para o problema foi aprovada há algumas horas, durante reunião desses governantes. 

— Ao todo são 54 prefeitos da macrorregião unidos no sentido de que cadamunicípio entre com um pouco de recursos, dentro de suas condições, e assim fortaleçam um movimento coletivo que vai exigir do governador [Fernando Pimentel (PT)] que as promessas de investimentos sejam cumpridas — disse o vereador. 

Ainda segundo o vereador, é "inadmissível e inaceitável" que Divinópolis, uma das principais cidades de Minas e do Brasil, com representação política por meio de deputados influentes, não tenha essa representação mostrada "à altura".

— Não posso conceber que uma cidade com tanta expressão e tradição, de economia importante, não consiga chamar atenção do governo do Estado para terminar uma obra que já demandou cerca de R$ 100 milhões. Uma obra tão necessária. A UPA [Unidade de Pronto Atendimento] não consegue fazer o encaminhamento por faltas de vagas hospitalares do SUS [Sistema Único de Saúde] e agora os prefeitos decidiram o que já deveriam ter feito há mais tempo. Eles vão se unir para fortalecer o movimento intermunicipal em consórcio, para que o governador receba esses representes, que não vão se posicionar de forma altiva — acrescentou.

Marcos Vinícius também afirmou que muitos dos prefeitos que estão se unindo neste movimento são adversários políticos, mas percebem a importância dessa união para todas as suas cidades. 

— Chegou a hora do Hospital Regional. Estamos no ano pré-eleitoral. Quem sabe uma determinação ao apagar das luzes, naquilo que é coletivo, para que haja uma unidade de esforços e de trabalho, de prestígio e de representação, para que esse hospital público não seja uma dessas obras abandonadas e esqucidas e que vão entrar para uma estatística terrível no Brasil, de obras que demandaram dinheiro público e que estão esquecidas e abandonadas — ressaltou.

As obras do Hospital Público não estão abertas ao público pois recentemente a Prefeitura renovou, por mais quatro meses, o contrato com a empresa que presta a segurança armada no imóvel. 

Comentários
×