Preços de itens da construção caem, mas do tijolo aumenta em Divinópolis

Materiais para construir caem até 8,6% em agosto, aponta Nupec

 

Pablo Santos 

A maioria dos itens da construção registrou queda de preço em agosto. Levantamento apresentado pelo Núcleo de Pesquisas Econômicas (Nupec) da Faculdade de Ciências Econômicas e Contábeis de Divinópolis (Faced) revelou declínio de até 8,62% no mês passado, quando se compara com o período anterior. Em contrapartida, o tijolo de oito furos registrou forte alta.

O Nupec pesquisou em agosto 16 estabelecimentos que comercializam materiais básicos de construção. Os itens analisados foram: cal, cimento, metro cúbico da areia, metro cúbico da brita e tijolo cerâmico com oito furos.

Conforme a pesquisa, três itens registram fortes oscilações entre um e outro estabelecimento.

— Os itens que registraram as maiores variações de preços entre os depósitos de construção da cidade foram: tijolo de oito furos (200%), areia fina (150%) e areia grossa (109%) — afirmou o pesquisador Leandro Maia.

A areia fina é possível de ser encontrada no metro cúbico de R$ 60 a R$ 150. A grossa, de R$ 55 a R$ 155. O tijolo campeão de variação de preço está cotado de R$ 0,50 a R$ 1,50 a unidade.

Já os itens com a menor variação somam quatro. O cimento assinalou 24% entre um e outro depósito de construção e pode ser encontrado de R$ 12,90 a R$ 16.  Com a menor diferença entre um e outro estabelecimento está a cal de 20 kg. O item foi encontrado de R$ 6,50 a R$ 8, com oscilação de 23%.

Argamassa com 56% e brita número 1 com 90% são os outros produtos da construção com variação mediana.

Preços 

Além de maior variação de preços, o tijolo foi o item com alta considerável em agosto. De acordo com os dados apresentados, o tijolo subiu 7,67% no mês passado quando se compara com setembro. Já a cal assinalou leve alta de 0,19%.

No entanto, os outros cinco itens assinalaram queda de preço. A areia fina (-8,62%), a areia grossa (-5,22%) e a brita 1 (-1,88%) foram os materiais que demonstraram as maiores retrações de preços em relação ao mês de julho.

 

Comentários
×