Preços de hortigranjeiros apresentam pequena queda em Divinópolis

 

Jorge Guimarães

Após o fim da greve dos caminhoneiros vários itens da cadeia alimentar tiveram seus preços elevados devido a falta de ofertas. Mas aos poucos a lei da oferta e da procura prevaleceu e, o mês fechou com preços em baixa, principalmente, entre os hortifrutigranjeiros, que compõem a mesa do dia a dia da população. 

E segundo levantamento o preço médio apresentou pequena queda de 0,5% no comparativo de junho em relação a maio, no atacado do entreposto de Contagem da CeasaMinas, mesmo com a redução de 3,6% na entrada de mercadorias. O setor formado pelas hortaliças, que inclui legumes e verduras, foi o que mais influenciou a redução, ficando 4,5% mais barato em junho. Um dos fatores que contribuíram para segurar o valor foi a queda na temperatura, o que normalmente se traduz em menor procura, por exemplo, por alguns alimentos típicos de saladas.

Hortaliças

Entre as hortaliças, os produtos que se destacaram nas quedas de preços foram o tomate longa vida (-30,9%); repolho (-30%); beterraba (-25,7%); cenoura (-24,2%); abobrinha italiana (-24%) e cebola (-10,4%). Vale lembrar que a cebola deve manter a trajetória de queda de preços em julho, em razão do crescimento da oferta nacional e redução da variedade importada.

Entre as hortaliças que ficaram mais caras, o chuchu (48,2%); milho verde (31,6%); berinjela (24,5%) e batata (17,4%). Entretanto, o consumidor deve ficar atento porque a batata deverá apresentar reduções de preços neste mês de julho.

Frutas

O preço do setor de frutas registrou ligeiro aumento de 0,5%. Os produtos que mais influenciaram a alta foram o mamão formosa (28,6%); maçã brasileira (14,3%); banana nanica (14%); laranja pêra (11,2%) e banana prata (7,1%).

Entre as quedas de preços das frutas, os destaques foram melancia (-23%); tangerina ponkan (-14%); manga (-9,4%); morango (-9,1%) e limão tahiti (-8%).

Ovos

Os ovos ficaram 21,8% mais caros em junho, em decorrência de fatores como a queda na temperatura, o que eleva a demanda, e de problemas na oferta também por conta da paralisação dos caminheiros. No entanto, vale lembrar que, neste início de julho, o preço do produto já recuou, influenciado pela entrada do período de férias escolares.

Divinópolis

Em Divinópolis, os preços também estão voltando a patamares ideais para a época e, com isso, quem ganha é o consumidor, que não deixa de lado o habito essencial da pesquisa de preços. A reportagem esteve em uma loja de rede de supermercados para conferir alguns itens e constatou queda nos preços. A melancia inteira estava a R$ 0,99 e o alho, que já beirou os R$ 20, custava R$ 9,90. Já o coco verde, cará de dedo, abóbora hibrida inteira, cenoura vermelha, mexerica ponkan, banana caturra e repolho verde inteiro saíam a R$ 1,49. Já a beterraba, cebola branca, banana maçã ou prata eram vendidas a R$ 1,99. A batata a R$ 1,69, pimentão verde R$ 2,99, alface unidade a R$ 1,99 e tomate a R$ 2,49 eram os demais preços em destaques entre tantas outras ofertas.

Já num tradicional sacolão do centro da cidade a batata bolinha saia a R$ 0,59, as folhas e cheiro verde estavam a R$ 0,99, a unidade e o tradicional sacolão a partir de R$ 0,99. Fator que novamente indica que a pesquisa sendo feita quem lucra é o consumidor.

— Sempre venho aqui para saber dos preços e ofertas, aí compro com as “vendas” do meu bairro e em locais onde está mais barato, mesmo que seja um pouco em cada lugar — argumenta a aposenta Afonsina Silva.       

Previsões

Outra boa notícia para o consumidor é o fato de o segundo semestre tradicionalmente ser marcado por preços mais baixos, em decorrência da melhoria das condições climáticas. Portanto, a dica é pesquisar e ficar atento às promoções do varejo. 

Comentários
×