Preço da gasolina e diesel sobem de novo

Medida vale a partir de hoje; gás de cozinha segue o mesmo caminho

Da Redação 

A última sexta-feira, 26, foi agitada na cidade, quando motoristas enfrentaram filas enormes nos postos, com receio da falta de combustíveis, devido à paralisação dos tanqueiros. Com os condutores em busca de abastecimento, postos aproveitaram para vender a gasolina a R$ 5,89 e o etanol a R$ 4,29. Mesmo com o término da paralisação na noite de sexta, ainda no sábado, 27, pela manhã, em alguns pontos de vendas, via-se um grande movimento de consumidores. Isso devido à falta dos produtos em alguns estabelecimentos da cidade, visto que, com a grande procura na sexta, tiveram seu estoque zerado.      

— Preferi não enfrentar as longas filas da sexta-feira, deixei para bastecer já no sábado. Mas tive que rodar um pouco mais, pois muitos não tinham e, nos que tinham, os preços estavam acima da média. Nós deveríamos boicotar os postos que subiram seus preços e não voltaram ao praticado antes — disse o advogado Mauro Nogueira.

Reajustes 

Depois desse sufoco todo, março chega com a Petrobras anunciando um novo aumento, o quinto do ano, nos preços da gasolina, do diesel e do gás de botijão vendidos em suas refinarias. Assim, a partir de hoje, a gasolina fica 4,8% mais cara, o óleo diesel 5% e o gás de cozinha, 5,2%. De acordo com a estatal, os aumentos estão seguindo a cotação do mercado internacional e a taxa de câmbio.

— Com estes aumentos, agora mesmo vamos estar pagando R$ 6 pelo litro da gasolina. O jeito é deixar o carro em casa e vir a pé para o trabalho. E agora vem também o aumento do gás de cozinha e, para quem trabalha com restaurante, como eu, temos que fazer de tudo para não repassar para os clientes. Nossa sorte é que temos um bom estoque e fornecedores fidelizados — avaliou o empresário do ramo de restaurantes Rolando Meneses.  

Preços

Em Divinópolis, segundo apurou a reportagem, o preço médio da gasolina está em R$ 5,39 e o diesel em R$ 3,91.

Já o botijão de gás custa, em média, R$ 77 para buscar no estabelecimento e de R$ 80 a R$ 83 para entregas em domicílio.

— Após a correria da última sexta, que praticamente zerou nosso estoque em quase todos os postos da rede, voltamos à normalidade. Devemos receber novo pedido amanhã, mas vamos ver qual será a política adotada pela rede em relação a este novo aumento. Mas, se seguir o que se fez sempre, a gente não repassa todo o aumento para o consumidor. O mercado de combustível é livre e a concorrência é que fala mais alto — avaliou o gerente de um ponto de venda de uma rede de postos de gasolina, Fred Carvalho.

 

Comentários
×