Preço da carne bovina continua estável

Cortes diversificados de primeira são encontrados com valores reduzidos

Da Redação 

Depois da disparada dos preços nos primeiros meses do ano, o mercado da carne bovina se equilibrou. Desta forma, as exportações brasileiras em volumes recordes e a baixa oferta de animais prontos para o abate continuam sustentando os preços da arroba bovina.  E cabe ao consumidor não esquecer de fazer a tradicional pesquisa. Pois, com o mercado estável, o que costuma fazer a diferença são as promoções do produto e, se pesquisar bem, o consumidor pode economizar.

Preços

Basta dar uma volta por alguns estabelecimentos da cidade para se confirmar a redução no preço. Ontem, por exemplo, em um supermercado foram encontrados vários cortes de carne de primeira com preços que há muito não se via nos expositores. Para se ter uma ideia, o quilo do filé mignon estava a R$ 29,90, o de contrafilé a R$ 26,90 e a chã de dentro era comercializada a R$ 23,90. Para outros cortes os preços também estavam em promoção, como a paleta, maçã de peito e fraldinha, que eram vendidas a R$ 21,90.  Já o lagarto, patinho e chã de fora custavam R$ 24,90.   

— Com um mix de ótimos fornecedores nesta semana conseguimos colocar estes cortes em promoção. E, com certeza, muitas outras promoções virão abrangendo também outras carnes. O mercado, depois daquela alta repentina, volta à sua normalidade aos poucos — avaliou o gerente, Walter Wagner.  

Em um açougue tradicional na cidade, o patinho dianteiro e traseiro e a chã de fora saíam por R$ 19,99, a chã de dentro a R$ 25,90, alcatra, R$ 27,90 e o contrafilé a R$ 29,90.

— Os preços da carne bovina subiram em torno de 5 a 10%, nos últimos meses, mas conseguimos equilibrar o preço final junto ao consumidor com diversas promoções. No entanto, o preço da carne suína subiu em média 40%. Na bovina, a alta foi de R$ 2 no quilo, o que a gente amortece com as promoções. Já a alta na carne suína foi em média de R$ 4 a R$ 5 no quilo — disse o proprietário, Kilderson Neylon de Oliveira.     

Comentários
×