PPI Favelas está há 11 anos sem solução

Da Redação

Quase 12 anos. Esse é o tempo que os moradores do Alto São Vicente aguardam para ter suas casas de volta. Em 2007, 16 famílias tiveram suas residências demolidas por estarem em área de risco e, desde então, aguardam uma solução para o problema. Ainda naquele ano, no governo do ex-prefeito Demetrius Pereira (sem partido), o extinto Ministério das Cidades liberou R$ 13,3 milhões para obras de infraestrutura e construção de moradias nos bairros Alto São Vicente, São João de Deus (Vila Olaria) e Nova Suíça, regiões mais afetadas com desastres climáticos.

Entretanto, segundo a Caixa Econômica Federal (CEF), responsável pela liberação dos recursos, de toda a verba disponível, foram utilizados apenas R$ 1,9 milhão até 2010, e a obra foi paralisada com apenas 12,8% realizados. A suspensão inesperada gerou a instauração de um inquérito civil pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2013. A investigação se baseia em denúncias de fraudes no programa, que poderiam ter causado o atraso das obras. Quase dez anos após a liberação dos R$ 13,3 milhões, em junho de 2016, o ex-prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) chegou a lançar a segunda etapa do edital de investimentos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) Favelas, mas nada foi feito.

Mais promessas

Na então nova etapa, seria construído um edifício com 16 apartamentos com vagas de garagem para todos os imóveis no Alto São Vicente. Cada apartamento teria 40 metros quadrados e seria investido R$ 1 milhão, o que beneficiaria 21 famílias. Há dois anos, em agosto de 2017, o ex-presidente da Câmara, Adair Otaviano (MDB), anunciou que o PPI Favelas seria substituído pelo programa ‘Minha Casa Minha Vida’.

Segundo o vereador, em um encontro com o então ministro das cidades, Bruno Araújo, o prefeito Galileu Machado (MDB), teria conseguido a substituição do programa. Ainda de acordo com Adair, seriam construídas 26 unidades por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Habitação do programa do Governo Federal, mas até hoje nada foi resolvido.

Mais uma reunião

A Prefeitura continua pagando aluguel social para as 16 famílias, que foram retiradas do Alto São Vicente.

Porém, o prefeito e o deputado federal Domingos Sávio (PSDB) se encontram com o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Rigodanzo e levaram a demanda.  Os dois receberam a garantia do ministro que o dinheiro finalmente virá em breve para a conclusão das obras.  (Detalhes na reportagem "Divinópolis terá recursos  para construção de Cmei’s).

Comentários
×