Potência do homem

Para Aristóteles, filósofo grego, “o bem é o fim de todas as ações do homem”. Entretanto, nos indaga a perguntarmo-nos: qual seria o bem próprio do homem?

Para Aristóteles o bem supremo seria a felicidade.  No entanto, a felicidade não seria igual para todos, ou seja, alguns a colocariam na saúde física, outros na riqueza, ou mesmo numa vida norteada de prazeres, ou também na universalidade de idéias.

Entretanto para Aristóteles: “A Felicidade própria da natureza humana provém do desenvolvimento da virtude, o que equivale dizer, no desenvolvimento da reta razão”.

A palavra virtude provém do latim: ”virtus”, que significa capacidade ou potência própria do homem.  E como existem várias virtudes, diz o filósofo grego, deveríamos nos dirigir para mais alta de todas que é a virtude da sabedoria.  E a ferramenta que nos levaria a sabedoria é a filosofia.  Por isto, também Sócrates, dizia que antes de qualquer coisa que o homem faça, ele deveria reconhecer-se primeiro como um filósofo, e a partir disto, iria fazer todas as coisas bem feitas, visto que iria buscar a justiça que existiria por trás de cada coisa ou atos realizados.

Entretanto, voltando a Aristóteles, dizia também que a felicidade não seria enviada pelos Deuses, mas obtida pela prática da virtude, mediante longa aprendizagem.  Portanto, poderíamos ser felizes, praticando a felicidade, da mesma forma que aprenderemos a nadar, nadando, ou a dirigir um carro, dirigindo, etc.

Isto me parece bastante interessante, por que colocaria em nossas mãos as chaves de nossa própria felicidade.  Por isto a filosofia natural ensina que: “O homem seria o arquiteto de seu próprio destino”.    

Outra questão bastante interessante colocada por Aristóteles, é que: “as qualidades provém da repetição dos atos”.  Podemos entender então que a Moral seria uma questão de prática e que poderíamos deduzir que o ser moral seria conquistado pela nossa intenção e estaria na esfera do nosso próprio poder, ou seja, queremos ou não ser éticos e morais.

Outro fator também interessante deixado pelo gênio grego, é que “a virtude nasce da temperança, e sua morte estará no excesso e na carência”.  A virtude estaria, portanto, no equilíbrio, quando nossas ações estiverem dirigidas pela razão, encontraríamos com  a felicidade.                 

Associação Cultural Nova Acrópole de Divinópolis
Diretor: Elismar José Alves
Rua São Paulo, 312 Bairro, Centro,
Divinópolis, MG - CEP 35.500-006.
Tel. 37 3221-5271 9197-9383
www.nova-acropole.org.br

Comentários
×