Posse na Fiemg

Um novo estilo de gestão, com maior participação da sociedade nas decisões em todos os niveis e a criação de um ambiente mais competitivo para as empresas, é a proposta do novo presidente da fa Fiemg, , Flávio Róscoe,  defendida por ele ao tomar posse no cargo ,nesta semana, em Beagá. A reunião foi prestigiada por autoridades (presidente Temer e governador Pimentel),  além de empresários e convidados variados.  A cerimônia encerrou uma semana em que os presidentes das regionais da Fiemg, também, tomaram posse - alguns renovados e outros reeleitos.

Originário da área têxtil  (Grupo Colortêxtil),  o novo presidente Flavio Róscoe levou à Sala Minas Gerais (onde aconteceu a cerimônia) muitos representantes da moda – além de nomes de peso em todas as áreas da industria mineira. Na oportunidade foi, também, comemorado o Dia da Industria, com a entregas das medalhas do Mérito Industrial, ao Industrial do Ano (Otavio Viegas) e o Gran Colar ao presidente da CNI, Robson Andrade. Uma grande noite.

Frente da moda

A Frente da Moda Mineira (que reúne varias entidades do setor + empresários e afins) reuniu-se, mais uma vez, para acertar os planos de ação e iniciativas desse movimento. Na primeira fase, pedem um ordenamento do assunto em Beagá, enfatizando a ‘vocação’ de várias áreas ligadas ao setor na geografia da capital. Assim, as regiões da pronta-entrega (Prado), pop-fashion (Barro Preto) e criativos (Savassi) teriam incentivos adequados. Na segunda fase, o programa alcançará todo o interior mineiro. Importante: conta , agora, com apoios do governo estadual.

Lixo de Luxo

É improvável que alguém não ligado à moda, já tenha ouvido falar o nome do russo Demna Gvesalia. Trata-se de um estilista, sediado em Paris, que criou na usa grife, a Vêtments, um estilo de roupa mais descontraída, debochada, largada e tudo que lembra um certo desleixo fashion. E acabou fazendo sucesso e influenciando tudo. Por causa disso, a meninada com dinheiro (os millennials) estão pagando 10 mil dólares por uma camiseta rasgada, 12 mil dólares por uma bolsa que parece achada no lixo, cinco mil dólares por um cinto de tecido e 10 mil por uma mochila. A grife preferida é a Gucci. Sem comentários.

 Vaivém

  • O produtor de moda Rodrigo Cezário faz curso de produção em seu novo ateliê , em Beagá. Nos pólos de moda de Minas, ele tem agenda de cursos de coleções e afins, em Patos de Minas, Uberaba e outras cidades. Bacanésimo ***

 

  • O verão europeu atrai gente da moda. A saber: muitos estilistas, empresários da área e fashionistas estão com passagens marcadas para Portugal. Fazem uma sondagem sobre levar seu negócio para a terrinha ou, pelo menos, criar uma ‘sucursal’ lá. Fogem da instabilidade daqui ***

 

  • O casamento do principe Harry com a atriz Meghan, provocou efeito ‘colateral’ por aqui. Explico: as noivas agora querem marcar seu casório pela manha, depois que viram como tudo fica lindo, florido e ensolarado – e com muitos chapéus. Só não pode chover no dia agendado ***

Ponto final

A turma da moda está vivendo grande expectativa em relação aos eventos do setor. Com a iminente transformação da São Paulo Fashion Week em show de entretenimento e as feiras caindo o movimento, novas fórmulas terão que ser implantadas na forma de mostrar e vender moda.  O e-commerce também cresce e altera o velho sistema de vendas. É nesse ponto que as discussões começam a tomar corpo entre as entidades do setor. Todos saíndo da chamada ‘zona de conforto’. Amém.

 

 

Comentários
×