Por que é tão difícil poupar?

 

 

Para muitos, poupar é tão difícil quanto começar uma dieta, parar de fumar ou praticar exercícios frequentes. O mais interessante é que esta dificuldade muitas vezes independe do salário recebido, ou seja, os gastos aumentam na mesma proporção em que as pessoas recebem aumentos salariais.

Para entender este fenômeno é preciso analisar, com cuidado, por que é tão difícil poupar. Vejamos a equação abaixo:

Salário = Consumo – Poupança.

Note que a poupança vem em último lugar, ou seja, as pessoas poupam se sobrar algum dinheiro após o consumo. É claro que dificilmente vai sobrar. Essa é a principal razão pela qual muitas pessoas têm dificuldade em fazer poupança.      

Se considerarmos que poupar significa gastar menos do que o salário permite e exige sacrifícios e esforços, não é difícil entender por que poucas pessoas estão dispostas a isso.

Ainda mais preocupante do que a dificuldade em poupar é a facilidade que as pessoas têm em se endividar. Antes do Plano Real, era praticamente impossível obter um financiamento, pois os próprios bancos concentravam-se nos financiamentos de empresas, ignorando quase que por completo o financiamento ao consumo. Desde então muitas coisas mudaram e o acesso ao crédito ficou mais fácil, como se verifica no forte crescimento do volume de crédito ao consumo nos últimos dez anos.

O crescimento do crédito foi muito importante para movimentar a economia do país, mas infelizmente foi dado muito crédito e pouca conscientização às pessoas no sentido de usá-lo com segurança.

Além do mais, a grande dificuldade de poupar, em uma sociedade de consumo como a nossa, é que muitas vezes aquilo que desejamos comprar passa a ser uma necessidade, algo com o qual não podemos viver sem. Desta forma, não importa se a pessoa tem dinheiro suficiente para comprar um carro novo, o que importa é que a vida dela deixa de ser possível sem ele, portanto, tem que comprar de qualquer maneira. A pessoa passa a imaginar inúmeros problemas que pode enfrentar por não ter o carro novo, de forma que fica cada vez mais difícil ceder à tentação de entrar num financiamento. Será que as provocações de consumo da sociedade capitalista venceram o bom senso?

Ao contrário do que muita gente pensa, sempre que você quiser comprar algo para o qual não tem dinheiro suficiente, o melhor não é entrar em longos financiamentos, mas, sim, poupar e comprar à vista mais tarde. Por que será que as pessoas têm tanta dificuldade em guardar dinheiro, mas não pensam duas vezes ao comprometer boa parte do seu salário com prestações eternas para a compra de um carro, de uma televisão, ou até mesmo de um celular?

Ainda estamos entre os países de maiores taxas de juros do mundo. Na compra à vista, todo o poder está do lado do consumidor. Com uma boa pesquisa de preços e boas negociações, você pode conseguir bons descontos no pagamento à vista. O preço à vista não pode ser igual ao preço parcelado em dez vezes, como muitas lojas anunciam. É óbvio que o custo financeiro está embutido no preço. O melhor caminho, portanto, é pesquisar os preços e pechinchar, acima de tudo. Se você perceber que o jogo está difícil com o vendedor, chame o gerente. Não pode haver ansiedade para a aquisição de um bem e sempre a melhor solução é poupar antes e comprar depois.

  Para começar a poupar faça a mudança na sua mente da equação acima para a equação abaixo:

Salário = Poupança – Consumo

Ou seja, coloque a poupança como prioridade, e o que sobrar você destina ao consumo. É uma mudança drástica de hábito, mas lembre-se: o esforço é passageiro, mas o benefício é para sempre.

Conheça o nosso canal no YouTube

Assista aos nossos vídeos sobre finanças pessoais e empresariais no nosso canal do Youtube: Célio Tavares Vídeos, que tem como objetivo orientar as pessoas para que elas tenham sucesso nas suas finanças pessoais, empreendimentos e investimentos. Contato: (37) 99987-9358.

Comentários
×