Por causa dele

João Carlos Ramos

A palavra DINHEIRO origina-se da palavra latina  Denárius, que valiam 10 asses e era equivalente ao salário mínimo diário de um trabalhador comum, no antigo Império Romano.

Obviamente, o salário mensal era de 30 denárius. Judas Iscariotes, o traidor do filho de Deus, foi contratado por esse valor para cumprir seu propósito infernal. O mesmo valor era equivalente à compra de um escravo em tempos de paz. Devo enfatizar que as 30 peças de prata não ficaram nas mãos de Judas, pois, arrependido, devolveu aos sacerdotes criminosos que o contrataram. O maldito dinheiro foi usado para a compra de um terreno com a finalidade de ser usado como cemitério para os estrangeiros. (Mateus 27:3-8). Segundo o relato bíblico, Judas "se retirou para se enforcar", pois, arrependido, não poderia mais voltar atrás. "Ora, ele adquiriu um campo com o salário de sua iniquidade e, precipitando, caiu prostrado e se arrebentou pelo meio e todas as suas entranhas se derramaram" (Atos 1:18-19). Hoje, as inúmeras disputas que há no campo político, religioso e até familiar são por causa do dinheiro.

O dinheiro possui um magnetismo poderoso para atrair o  ser humano, tanto para o bem quanto para o mal. Podemos observar como à medida que aumenta o índice populacional, somos surpreendidos pelas inúmeras formas de conquistas, por meio do dinheiro. Trabalhamos honestamente para adquirir dinheiro a fim de sobrevivermos. Outros há que não trabalham e possuem mais dinheiro e lutam para conquistar o pouco que muitos possuem. A disparidade econômica é fenomenal e, por mais que governo e peritos em economia debrucem sobre a problemática, não conseguem a solução que se faz mister.

Em tempos de pandemia, gasta-se tanto dinheiro com propagandas sobre o assunto (ainda que necessário) que tais gastos manteriam a sociedade abastecida daquilo que é fundamental para manutenção da espécie humana. Por outro lado, farmácias, supermercados etc.  nunca  lucraram tanto com a desgraça.

Políticos fazem de tudo para manterem vivos seus eleitores, pois são fontes de lucro fácil. A traição, montada no cavalo da ingratidão, cavalga como nunca nos lares, causando divórcios, crimes encomendados e lutas diárias em prol do vil metal. Queira Deus que, após a fase da covid-19, não tenhamos filas intermináveis de ex-ricos, à espera de pão, juntamente com todas as classes de famintos, jamais vistas. Usemos o dinheiro para o bem da humanidade!

Digam adeus a tudo que é supérfluo e meditem na brevidade da vida. Alimentem os famintos, vistam os nus e visitem os enfermos em suas camas de dor. Orem pelos presidiários, não esquecendo que todos nós contribuímos para as mazelas sociais. Com esse espírito, torço para que ganhem MUITO DINHEIRO!

jocarramos@gmail.com

Comentários
×