Polo da Moda promete impulsionar a economia de Divinópolis

Da Redação

A Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e Serviços de Divinópolis (Acid) divulgou nesta sexta-feira, 20, novas informações sobre o Polo da Moda previsto para ser criado na cidade. O objetivo será fortalecer o setor e impulsionar o crescimento econômico e social da região. A entidade afirma que o setor têxtil engloba 20% das indústrias do vestuário, com cerca de 1,2 mil empresas e geração de 20 mil empregos diretos e indiretos.

Os objetivos do Polo da Moda são fortalecer a cadeia produtiva do setor têxtil; incentivar a produção e a comercialização de vestuário; promover o desenvolvimento e a divulgação de tecnologias aplicáveis a esse setor industrial; e contribuir para a geração de empregos e para o aumento da renda, principalmente mediante ações voltadas para o setor, observando-se os princípios do desenvolvimento sustentável.

Em 22 de setembro de 2017 o deputado estadual Fábio Avelar (PT do B) protocolou na Assembleia Legislativa de Minas Gerais o projeto de lei 4.636, daquele ano, que institui o Polo de Moda de Divinópolis.

— Com a aprovação dessa Lei, o Polo da Moda receberá recursos específicos para o desenvolvimento e a pesquisa de novas técnicas para o aprimoramento das fábricas locais e poderão ser desenvolvidas ações de capacitação profissional para técnicos, sob o aspecto gerencial e de comercialização — explica a Acid.

Ainda segundo a cidade, uma questão importante citada na lei é a criação de mecanismos que propiciem tratamento tributário diferenciado para fomentar a produção têxtil, já que existem relatórios de tributação de outros estados mostrando a necessidade de colocar Divinópolis em condições igualitárias de competir com o mercado nacional da moda.

Integram o Polo da Moda 19 cidades: Aguanil, Araújos, Arcos, Campo Belo, Candeias, Carmo da Mata, Carmo do Cajuru, Carmópolis de Minas, Cristais, Divinópolis, Igaratinga, Itaúna, Itapecerica, Nova Serrana, Oliveira, Pains, Perdigão, São Sebastião do Oeste e Pedra do Indaiá.

Comentários
×