Política & Cia - Bob Clementino (21/08/2019)

Não é eleitoreira!

Em um dos seus vídeos-denúncia, o deputado Cleitinho (CDN) mostrou o Hospital Público Regional inacabado e o chamou de “obra eleitoreira”. Não é!

Obra necessária e urgente

A construção do hospital público não é uma obra eleitoreira. Eleitoreiras são as obras feitas no período eleitoral, visando a captar votos para conseguir eleição, sem pensar nos interesses comunitários. Divinópolis e as 54 cidades que integram a macrorregião da Superintendência Regional de Saúde (SRS) precisam urgentemente deste hospital público.

Por que urgente?

A maioria dos pacientes das 54 cidades da macrorregião SRS é enviada a Divinópolis e a porta de entrada, geralmente, é a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Padre Roberto. A unidade acolhe e estabiliza os pacientes, mas, em passo seguinte, não há leitos em hospitais para receber esses pacientes. Consequência: eles ficam em macas, nos corredores, à espera de vagas. Diante dessa realidade, sob os governos Aécio Neves e Anastasia (ambos do PSDB), o ex-prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) conseguiu que fosse construído, na cidade, esta obra importante: hospital público estadual.

Assim, juntamente com o Complexo de Saúde São João de Deus (CSSJD), seria possível absorver a demanda de leitos que a UPA Padre Roberto necessita. Daí a importância do término do hospital e seu pleno funcionamento.

Melhor foi Domingos

Sem blá-blá ou vídeos sensacionalistas, o deputado federal Domingos Sávio (PSDB) fez o que deveria fazer. Procurou o governador Romeu Zema (Novo) e cobrou uma solução do Estado para que as obras do Hospital Público Regional em Divinópolis sejam concluídas. O governador, ciente da importância deste hospital para a cidade e toda a região, firmou compromisso com o deputado Domingos Sávio e o secretário de Saúde, Amarildo de Sousa, de que vai pagar pelo menos 50 % da obra, o que já garante o funcionamento parcial do hospital. Divinópolis e as 54 cidades agradecem!

Farinha pouca, meu pirão primeiro

Nada contra os programas nacionais de arrecadação de fundos para entidades carentes, mas sugiro que aqui em Divinópolis nos concentremos em ajudar a “Casa Dia”, que é uma instituição sem fins lucrativos voltada à recuperação de dependentes químicos e alcoolistas; a Vila Vicentina, instituição que acolhe cerca de 80 idosos; o projeto “Quero Viver”, que há 28 anos resgata das ruas usuários de drogas e pessoas de vulnerabilidades social; o Lar dos Idosos, completando cinco décadas neste ano, é  uma instituição filantrópica, que cuida de 43 idosos residentes na casa;  a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), o Instituto Helena Antipoff e outras entidades beneficentes.

Sem prestígio

Entra semana, sai semana e as reuniões da Câmara continuam ordinárias. É que, cada dia que passa, aumenta entre os edis o desejo de desqualificar seus colegas de mandato. Já ouvi de um deles, analisando o comportamento de colegas, concluir que “política não é de Deus, é do demônio”. E mais: “no ano que vem (ano eleitoral), vamos nos tornar inimigos mortais”. Porém, contribuir com o desenvolvimento da cidade não os motiva. Os divinopolitanos sabem que o Estado deve ao Município R$ 105 milhões da Gestão Pimentel (PT) e R$ 15 milhões do Governo Zema e, mesmo assim, os edis não pressionam os deputados de seus respectivos partidos para cobrar do atual governador a liberação dos milhões da Prefeitura que continuam presos nos cofres do Estado. Os vereadores se orientam pela lei do menor esforço: pedir impeachment do prefeito e desancar os parceiros de mandato. É mais fácil!  Só não sei se esta estratégia irá garantir a reeleição de quem se dispuser a enfrentá-la em 2020.

Sem prestígio II

Enquanto edis digladiam entre si, Divinópolis ficou de fora da lista das cidades que integram o programa federal "Médicos do Brasil", que substituiu o "Mais Médicos". Por isso, o secretário de Saúde de Divinópolis, Amarildo Sousa, teme perder 14 médicos nos próximos anos. Lembrando que Bolsonaro (PSL) obteve em Divinópolis 77.001 votos, o que corresponde a 65,17% do eleitorado.

 

Comentários
×