Política & Cia. - 17/10/18

Divinópolis pós-eleição

Depois do primeiro turno, o quadro político e partidário mudou em Divinópolis. O deputado federal Jaiminho Martins (PSD) e o deputado estadual Fabiano Tolentino (PPS) estarão, no amanhecer de 2019, sem mandatos. Na Assembleia Legislativa, Divinópolis será representada pelo deputado eleito Cleitinho Azevedo (PPS). Na Câmara Federal, pelo deputado Domingos Sávio (PSDB). Jaiminho Martins e Fabiano Tolentino, se têm pretensões de permanecerem na política, não podem deixar de disputar um cargo eletivo em 2020.

As opções que 2020 oferece são para vereador e prefeito. Não creio que os dois vão querer disputar uma vaga para a Câmara de Divinópolis. É de se esperar  que disputem a Prefeitura. Ficar quatro anos sem disputar um cargo eletivo pode ser um erro estratégico fatal para o futuro político de ambos. Por outro lado, pode ser ainda que Jaiminho Martins e Fabiano Tolentino obtenham  visibilidade política, assumindo um  cargo no Estado ou na esfera federal. Credibilidade política e administrativa para estas empreitadas os dois têm.

PSDB vai ter que se reinventar 1


De 2014 a 2018, o presidente do PSDB mineiro, deputado Domingos Sávio, perdeu 62.911 votos em Minas Gerais. Em 2014 ele foi eleito com 143.901 votos e em 2018 com 80.990. Na cidade, em 2014,  ele obteve 17.670. Já em 2018 recebeu apenas 3.973 votos: perdeu aqui 13.697 votos.

Essas tendências de perdas de votos já haviam se manifestado nas eleições de 2014, porque em 2010 em Divinópolis o deputado Domingos Sávio recebeu 29.494 votos e em 2014 apenas 17.670 votos. Fica a pergunta:  por que diante desse traçado de queda na votação o deputado Domingos Sávio não o inverteu?

PSDB vai ter que se reinventar 2

No dia 17 de junho de 2017,  escrevi em minha coluna no jornal “Gazeta do Oeste” matéria analisando o desempenho do PSDB nas eleições de 2016, cujo título foi: “PSDB apequenou-se também em Divinópolis”. Registrei ali: “Se em nível nacional o PSDB apequenou-se, em Divinópolis tornou-se um partido nanico.” É que depois de oito anos administrando a Prefeitura de Divinópolis, os tucanos não foram capazes de construir um candidato para substituir o prefeito Vladimir Azevedo, então reeleito com 43.545 votos. Por isso lançaram candidato a prefeito Luís Militão, que obteve apenas 9.341 votos. De notar que à época o PSDB perdeu na cidade 34.204 votos. E na Câmara, onde tinha dois vereadores em 2016, elegeu apenas um.

Esta perda vertiginosa de votos culminou com a atual votação do deputado Domingos Sávio, de apenas 3.973 votos no município.

Reinvenção tucana e Anastasia

E agora, tucanos? Não vou aqui tratar das candidaturas dos tucanos a governador, Brasil afora, mas tão somente da de Antonio Anastasia, em Minas Gerais. Apenas para dizer o seguinte: a reconstrução do PSDB em Minas passa necessariamente pela eleição de Anastasia.

Recado aos eleitos

Divinópolis precisa urgentemente de duas rodovias duplicadas: MG-050, para chegar à BR-262 e a BH, e a BR-494, tanto para chegar à BR-381 Fernão Dias, quanto também para ser outra via de acesso a BR-262. Pauta para o deputado estadual recém-eleito Cleitinho Azevedo e para o deputado federal reeleito Domingos Sávio, sob pena de Divinópolis continuar estrangulada por rodovias estreitas. 

Joaquim Barbosa descarta apoio a Haddad

O ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa, procurado pessoalmente por Fernando Haddad, mandou avisar que não o apoiará.

Bolsonaro mais amado

Pesquisa FSB revelou que entre as mulheres chega a 57,3% dos votos válidos a preferência por Jair Bolsonaro (PSL), enquanto Haddad (PT)
tem 42,7%. A pesquisa foi registrada no TSE: nº BR-07950/18.

PSL neutro em Minas

Apesar de pedido do candidato do Novo ao Governo de Minas, Romeu Zema, o PSL não vai apoiar nomes no Estado. Postura salomônica do partido, porque o presidente do PSDB mineiro, Domingos Sávio, foi ao Rio e abraçado ao capitão, declarou-lhe apoio. Romeu Zema também declarou voto ao capitão e ainda pediu para que Bolsonaro participasse de sua campanha.

Comentários
×