Pode faltar combustível em postos de Divinópolis

Da Redação

Desde quando a Petrobras anunciou reajuste de 10% na gasolina e 15% no diesel, caminhoneiros protestam em todo o país. E nessa quinta-feira, 25, os transportadores fizeram uma carreata da Refinaria Gabriel Passos até a Cidade Administrativa, para cobrar a diminuição do Imposto de Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS), mas até o momento não houve acordo entre as partes.

Divinópolis

Em Divinópolis com o preço da gasolina superior a R$ 5,00, pode vir faltar combustível em alguns postos, já neste fim de semana. A reportagem entrou em contato com uma das maiores revendas da cidade e região e constatou que por lá está tudo tranquilo até a presente data.

— No momento, além de termos frota própria de caminhões tanques, nosso estoque á alto. E até o momento estamos tranquilos quanto a isso — disse o gerente Denis Aparecido Martins.

Por outro lado, conversamos com outros pontos de vendas na cidade em que a tranquilidade já não era tão grande assim.

— Tenho combustível até amanhã. A gasolina já está no fim e se não chegar produto até o fim de semana vou ter que fechar. Mas tenho convicção que está paralisação não vai longe, não — argumentou o empresário João Batista de Lacerda.

Em outro ponto de comercialização de combustíveis, na hora do almoço, o movimento já começou a aumentar em relação a outros dias no mesmo horário.

— Minha gasolina dá somente para hoje. Nossos caminhões estão na Gabriel Passos para abastecer. Se tudo correr dentro do previsto, não passaremos por este aperto — avaliou o gerente Fred Carvalho.

— Só de ouvir falar em greve eu enchi o tanque da camionete ontem à noite. E o restante da família fez o mesmo com seus carros particulares. Prevenir é a melhor escolha — disse o empresário Juvêncio Alves Quadros.

Minaspetro

Em nota, o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Minas Gerais (Minaspetro), entidade que representa os cerca de 4,5 mil postos de combustíveis do estado, informa que a greve dos transportadores de combustíveis convocada pela entidade do setor em MG (Sinditanque) desde a 0h da última quinta-feira está afetando o abastecimento dos postos de combustíveis na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) e em cidades que realizam o carregamento nas bases próximas à Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim.

O Minaspetro apurou que vários postos já sentem os efeitos da greve, com dificuldades para fazer pedidos juntos às distribuidoras de combustíveis e abastecer os caminhões próprios nas bases, em virtude do bloqueio da entrada e saída de veículos pelos grevistas. Caso a greve permaneça nas próximas horas, certamente haverá falta de produtos  em grande parte dos postos de combustíveis do estado.

Sinditanque

Em contato com a assessoria de comunicação do Sinditanque, o Minaspetro apurou que mais de 300 caminhões estão parados. Ainda segundo o representante dos tanqueiros, a greve continua nesta sexta-feira pois, até o momento da publicação desta notícia, o Governo de Minas Gerais se mostra irredutível quanto à negociação do ICMS incidente sobre os combustíveis, conforme demanda o Sinditanque.

Vale lembrar que a cobrança dos tanqueiros é pela redução do ICMS cobrado sobre o diesel em Minas Gerais, que a partir de 1º de março será de R$ 0,6011/litro . No caso da gasolina, esse valor será de R$ R$ 1,6084, absurdos 32%, que somado aos outros impostos chega a quase 50% do preço pago pelo consumidor.
Nesta quinta-feira, 25, o Governo de Minas ignorou os pedidos do Minaspetro para o congelamento do preço usado como referência para cobrar o ICMS em Minas Gerais. A partir do dia 1º de março, o imposto estadual cobrado sobre os combustíveis vai ficar ainda mais caro.

Posicionamento

"Ainda que o Minaspetro seja solidário às demandas do Sinditanque-MG pela redução do imposto no diesel e demais combustíveis, entendemos que este não é o momento para uma greve, principalmente pelo contexto geral da pandemia de covid-19 e as dificuldades que a população e todo o setor produtivo enfrentam.
Por fim, pedimos que o governador Romeu Zema tenha sensibilidade com a população do estado e recue na decisão de aumentar o ICMS dos combustíveis a partir de 1º de março, além de revisar imediatamente a tributação estadual sobre os combustíveis."

 

Comentários
×