Pobre servidor

Preto no Branco 

A vida do servidor público municipal não está fácil. Apesar de ter convivido com os salários escalonados dos últimos meses, neste mês a Prefeitura assegurou que o pagamento cai na íntegra. Porém, quando tudo parecia normal, algo aconteceu. O depósito estava marcado para ontem, mas não ocorreu. E a culpa desta vez não é da Prefeitura, que transmitiu toda a documentação na última sexta-feira, 3, dentro do prazo previsto. A Caixa Econômica não conseguiu processar a folha de pagamento a tempo. E, com a mudança, a nova previsão estabelecia que o salário fosse depositado ao longo do dia de ontem, portanto, é provável que os servidores já estejam com o pagamento na conta. Mas, ainda assim, é mais um empecilho na vida do trabalhador. O servidor não tem um segundo de paz!

Alarme falso

Por outro lado, se não foi culpa da Prefeitura o atraso no depósito dos salários, é responsabilidade dela o susto que os servidores tomaram referente ao 13º. A assessoria informou, conforme divulgado na edição de ontem do Agora, que o 13º dos servidores só seria quitado no fim de agosto, no entanto, a informação é inverídica. Houve um equívoco na comunicação interna do Executivo. O jornal, no seu papel de informar, exerceu sua função e deu o destaque necessário para o assunto, já que é de interesse público. O episódio destaca o tamanho da responsabilidade da Prefeitura ao informar a imprensa sobre o que se passa na máquina pública. Bola fora!

Farpas

E falando em vídeo e redes sociais, o deputado estadual Cleitinho Azevedo (Cidadania) e o prefeito Galileu (MDB) voltaram a se desentender. Tudo começou quando o deputado convocou as secretarias de Saúde de Divinópolis e Carmo do Cajuru para prestar esclarecimentos sobre medicamentos descartados na divisa entre as duas cidades. Conforme relatou o presidente da comissão de Saúde da Câmara, vereador Renato Ferreira (PSDB), o material é um carregamento roubado no Paraná. O assunto parecia resolvido...

...parecia.

A Prefeitura publicou, há cinco dias, um vídeo do prefeito repudiando o vídeo publicado por Cleitinho, classificando sua atitude como “grave”, por não ter “se aprofundado antes de dar nome aos infratores”. “O seu ato foi, no mínimo, irresponsável, acusando as prefeituras de Divinópolis e Carmo do Cajuru como responsáveis pelo volumoso descarte de remédios encontrados em um terreno baldio do município”, defendeu Galileu. O líder do Executivo ainda rotulou o vídeo de Cleitinho como uma espécie de propaganda eleitoral: “não deve querer antecipar o período eleitoral, querendo denegrir a imagem de quem está trabalhando muito para o município”. E finalizou dizendo que as postagens do parlamentar são “vídeos para palhaçada”.

Palhaço da alegria

A resposta de Cleitinho foi postada na noite desta segunda-feira, 6, e justificou sua convocação das secretarias de Saúde. “Quem eu iria provocar? Eu iria provocar a Nasa? O Rio de Janeiro? São Paulo?” E o deputado não se incomodou ao ser associado à palhaçada. “Eu gostei de você ter me chamado de palhaço, melhor que me chamar de ladrão e de mentiroso, que são coisas que eu não sou. Eu fiquei honrado de ter me chamado de palhaço porque palhaço leva alegria pro povo”, destacou. Cleitinho ainda argumentou que o prefeito prometeu, em campanha, o funcionamento de três Unidades de Pronto Atendimento (UPA), porém custa a manter uma, além de citar o volumoso número de buracos nas vias. “Eu queria fazer uma pergunta para você, prefeito Galileu: o que você trouxe de alegria nesses três anos para Divinópolis? (...) Será que sou eu quem está fazendo palhaçada?”, finalizou.

Comentários
×