Perguntar não ofende!

Bob Clementino

Quando é que os vereadores, que gostam tanto de instaurar Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), vão criar uma CPI para também investigar quais deles negligenciam seus deveres de fiscalizar o Executivo para fazer este "troca-troca" por cargos comissionados em favor de apaniguados?

Cuidado, edis!

Se o que ouço nas ruas for realmente a vontade da população, ninguém está querendo o impeachment do prefeito Galileu Machado, mas, sim, que os senhores vereadores, por meio dos deputados de seus partidos, cobrem do governador Zema as verbas da Prefeitura que ele teima em manter nos cofres do Estado. Com elas, a cidade vira canteiros de obras.

Eleição 2020: estamos mal!

Para a eleição de 2020, quando divinopolitanos escolherão um novo prefeito, dos pré-candidatos mais reportados, apenas o deputado Cleitinho (PPS) não precisa da Prefeitura como prêmio de consolação ou emprego. Cleitinho tem mandato popular até 2022 e recebe R$ 25.322,25, fora os penduricalhos que a Assembleia Legislativa oferece. O que temos de nomes para disputar a Prefeitura de Divinópolis em 2020 até o presente momento?

Um deputado estadual e alguns candidatos derrotados em eleições passadas ou em decadência eleitoral.

Mais pré-candidatos

- O ex-deputado federal Jaiminho Martins, sem mandato, segundo o portal Divinews, aposentou-se com salário de cerca de R$ 28 mil, após seis mandatos e 24 anos na Câmara dos Deputados. Se de fato for candidato a prefeito, seguramente não mirará o cargo pelo salário, mas para voltar ao poder.

- O ex-deputado estadual Fabiano Tolentino não conseguiu se eleger federal e, por isso, caso se eleja prefeito de Divinópolis, conseguirá um mandato independente, além da chave do cofre municipal. Hoje está sem mandato.

- O ex-vereador Marquinho Clementino, apesar de ter obtido 34.239 votos em 2016 na disputa para prefeito, está sem mandato popular e não conseguiu ou não quis um cargo no governo estadual ou federal. Essa votação o credenciaria a pleiteá-lo. Sua situação política, em minha opinião, é que, diante do número de votos conquistados para prefeito em 2016, seria um retrocesso político tentar voltar à Câmara Municipal. Porém para se apresentar como cabeça de uma chapa majoritária em 2020, teria que ter um grupo político e financeiro ou um candidato a vice com condições para bancar as despesas de uma campanha eleitoral.

- O vereador Sargento Elton, que também é citado pela população como pré-candidato a prefeito em 2020, obteve na disputa para deputado federal, em 2018, 25.006 votos e tem mandato de vereador até 2020. Sua situação política se assemelha à de Marquinho Clementino, no que tange a tentar uma reeleição para vereador. Com 25.006 votos obtidos na eleição passada, está credenciado a buscar uma vaga em uma chapa majoritária, com vista à conquista da Prefeitura de Divinópolis. Tendo rendimentos na qualidade de sargento da Polícia Militar, não visa aos ganhos financeiros de prefeito, mas, certamente, se for para a disputa, o fará para alçar vôos mais alto na política, a cumprir seu projeto de poder.

Correndo por fora

O prefeito Galileu Machado (MDB), dizem os amigos, pretende buscar a reeleição em 2020. Mas está à frente de uma administração caótica, com salários e 13º atrasados ou pagos parceladamente. Sonha com a possibilidade de o governador Zema (Novo) liberar as verbas a que a Prefeitura tem direito, para atender parte das suas absurdas promessas de campanha. Entretanto se o número de candidatos a prefeito chegar a cinco, ele tem chance de se reeleger, porque, segundo a lenda urbana, ele tem fidelizado 35 mil votos. Se encontrar um vice bom de voto, chega fácil aos 40 mil votos. Tá no páreo!

Comentários
×