Pela 1ª vez em 50 anos, Divinaexpo não acontece em sua data tradicional

Da Redação 

Estava tudo pronto para a realização de uma das mais esperadas edições do maior rodeio de Minas Gerais, aquela que comemoraria os 50 anos da maior festa popular da cidade, a Divinaexpo. Mas um inimigo invisível calou o mundo e, de um dia para o outro, tudo se transformou.  Em Divinópolis uma das consequências foi que o alto da Paraná, pela primeira em 50 anos, está em silêncio, sem barraquinhas, sem ambulantes, sem a criança comendo a maçã do amor, sem os amantes do rodeio e, principalmente, sem vida. 

Shows 

Nesta semana, mais precisamente ontem, era para ter ocorrido o primeiro grande show da Divinaexpo 50 anos, com o cantor Xand Avião. Já hoje a cidade amanheceria em ritmo de sofrência, com a preferida nos rodeios atualmente, Marília Mendonça, além de matar a saudade da dupla Chitãozinho & Xororó. No ritmo das maiores estrelas do mundo sertanejo, amanhã o alto da Paraná iria tremer de vez com as apresentações das duplas Edson & Hudson e Zé Neto & Cristiano, além de Dennis DJ. 

Assim, o fim de semana só estaria começando, pois o aniversário da cidade, dia 1º de junho, é na segunda-feira, seria um feriadão com gosto de Divinaexpo. Já o próximo domingo, 31, seria especial para milhares de fãs do sertanejo em sua maior tradução, com a apresentação da dupla Matogrosso & Mathias e do cantor Gusttavo Lima. Para encerrar a festa que não houve, pelo menos em sua tradicional data, a dupla Diego & Victor Hugo faria a apresentação final da grade de shows.

Sucesso 

Tradição. Quem poderia imaginar que um evento que é sucesso absoluto desde 1960 é, no mínimo, um fenômeno, provavelmente não esteve em nenhuma de suas edições. Assim pode-se definir o que é o velho “rodeio”, hoje denominado Divinaexpo, para a população de Divinópolis, que tem o evento como sua maior festa popular. E ao completar 50 anos a festa tem dois paradigmas: o antes e o depois da administração de Irajá Ferreira Nogueira. 

Por isso, a partir de 1998, quando assumiu a presidência do Sindicato Rural, o evento ganhou cara nova e status de ser a segunda maior festa de rodeio do país e a maior de Minas.

— A partir do momento em que tomei posse como presidente, comecei a montar uma equipe competente, dando início à profissionalização dos eventos. E uma das nossas principais metas foi atender ao público, saber o que ele quer. Para tanto, temos profissionais capacitados para atuar tanto à frente do evento quanto nos bastidores. Deste modo, a festa tem sempre uma grade de shows de artistas e bandas que estão sempre no topo do sucesso — detalhou o presidente, Irajá Nogueira.

História

Porém, para chegar a estar entre as maiores festas do país, o evento teve de percorrer um longo caminho até encontrar sua morada no Parque da Divinaexpo.  Nos anos 50, os rodeios já existiam na cidade. José Gontijo da Silva, o Zé Capitão, divulgou a festa por Divinópolis, Minas Gerais, Brasil e outros países do mundo.

Desta forma, o então “rodeio” teve início na Charqueada, hoje bairro Manoel Valinhas. Com o crescimento, ele passou a ser realizado no Divinópolis Tênis Clube (DTC), que também ficou pequeno, indo, então, para o campo do Flamengo. Depois, mudou-se novamente para o bairro Santo Antônio, perto da Vila Belo Horizonte. Entre tantas idas e vindas, no dia 1º de junho de 1970, o Sindicato Rural de Divinópolis inaugurou sua sede no alto da Paraná, onde está hoje o Parque da Divinaexpo.

50 anos

Em 2020, a Divinaexpo completa 50 anos e, mesmo com as arquibancadas vazias, ela está sendo comemorada no íntimo de cada amante do rodeio, pois faz jus a uma história de cinco décadas.

— Depois de tudo organizado e com a expectativa de realizar uma das mais importantes edições da Divinaexpo, acontece essa pandemia mundial que acabou por adiar a festa. O nosso sentimento e de muitos é de saudosismo, era para este fim de semana estar “bombando” e a cidade em festa, pois a Divinaexpo fomenta, e muito, o comércio local. É como aconteceu com um dos nossos associados, que entrou aqui no parque ontem e disse que já era para ele e a família estarem aqui saboreando um prato de tropeiro ou de baião de dois e vibrando com as narrações do rodeio — disse o presidente Irajá Nogueira.

Sobre a realização em nova data, o presidente disse que precisa ter autorização da Prefeitura para marcar.

— É preciso aguardar, visto que ela foi adiada, e não cancelada. Por isso deixamos de trabalhar visando este comprometimento. Em contato com os escritórios de grandes nomes da música sertaneja, o ritmo é de dar prioridade aos grandes eventos. Por exemplo, Barretos marcou para realizar a festa de peão entre os dias 28 de outubro e 2 de novembro. Em conversa com o presidente dos Independentes, Jerônimo Luiz Muzetti, ele me disse que a festa está marcada, mas depende também da normalização da pandemia que se instalou no Brasil. Quanto à realização da 50ª Divinaexpo, estamos pensando em fazer em setembro, outubro talvez. Sei que muitos sentem falta, mas antes de pensar na festa, precisamos priorizar a vida e saúde de pessoas — concluiu o presidente.

Comentários
×