Parceria leva língua de sinais a equipes de segurança em Divinópolis

 

Gisele Souto 

Um curso de língua de sinais terá início hoje e é destinado a integrantes da segurança pública de Divinópolis. A iniciativa foi firmada em uma reunião da Associação para Assuntos de Segurança Pública (Acasp), quando Andréia Amaro, especialista no assunto, propôs a iniciativa, que foi bem recebida. As aulas contarão com profissionais das polícias Militar e Civil, agentes do presídio Floramar e da Secretaria Municipal de Trânsito (Settrans).

Andréia Amaro, que ministrará as aulas, explica que se trata de curso básico, com carga horária de 40 horas. Ela explica que o objetivo é capacitar esses profissionais para o trabalho com junto à sociedade e pessoas com deficiência auditiva.

 Situações 

Andreia Amaro considera importante a capacitação porque os profissionais lidam diretamente com a população e de dentro dela há pessoas que são surdas.

— Como, por exemplo, um policial vai abordar um cidadão surdo. Ele não ouve e, caso tente tirar uma carteirinha para provar sua deficiência ou fazer algum gesto, policial pode entender que ele esteja pegando uma arma. Esse profissional precisa fazer esta diferenciação — explica.

Ela se lembra da situação dos bombeiros, que em uma ocorrência é fundamental saber a língua, caso atenda uma família de surdos, pois corre se o risco  de se ter complicações no atendimento. O curso ocorrerá todas as quartas-feiras das 14 às 16h.

Comentários
×