Papel dos pais e professores no combate à timidez na infância e na adolescência

Papel dos pais e professores no combate

à timidez na infância e na adolescência

 

A timidez reflete um estado de abatimento do ânimo que inibe o ser em seu trato com os demais, prejudicando quase sempre o valor das próprias aptidões, que ficam diminuídas e até negadas pela coibição que ele experimenta tanto ao falar como ao atuar.

O complexo psicológico da pessoa escravizada por esta falha está demarcado pelo efeito sugestionante e atormentador que o olhar alheio produz sobre seu ânimo, efeito que se traduz em temor ao fracasso, ao ridículo, ao desacerto; temor de não saber expressar com exatidão aquilo que pensa ou sente, no qual toma parte muito ativa a subestimação de si mesma e o escasso mérito que atribui a suas ideias e qualidades.

É na infância e na adolescência que pais e professores devem combater os sintomas desse complexo de temor, vergonha e covardia, que é a timidez, ou impe­dir seu aparecimento.

Qualquer criança normalmente dotada pode contrair este defeito, se for submetida a um trato repressivo que tolha sua espontaneidade, e se não lhe for dado o apoio de que necessita para crescer livre de temores, confiante em suas forças e na capacidade que desenvolva. Mas a acanhada por natureza, a criança tímida, seguramente terá seu mal agravado se procederem inadequadamente com ela. Cortar-lhe com rispidez o uso da palavra; envergonhá-la ou confundi-la, caçoando de seus ditos ou argumentações; privá-la do exercício saudável que a convivência com seus semelhantes implica; menosprezar suas iniciativas, desejos ou decisões, em vez de alentá-las conforme convenha à anulação de seu defeito, tudo isso são partes de uma conduta que aumentará a coibição que a retrai, e que está negando à sua natureza o prazer de manifestar-se livremente.

A timidez, que com frequência assume característica de complexo de inferioridade, é consequência da falta de confiança em si mesmo.  Essa confiança pode ser, entretanto, criada e aumentada, se, ao tomar-se a determinação de combatê-la, após o reconhecimento periódico dos pensamentos e atitudes que marcam um progresso na modalidade, consegue-se um saldo favorável.

Sabemos que quem padece seus prejudiciais efeitos é com frequência avassalado pelo temor, que o torna inseguro, o envergonha e confunde. Nada mais aconselhável, então, que bloquear o defeito com pensa­mentos de entusiasmo, otimismo e coragem, para poder, assim, dominar a articulação dos impulsos internos com vistas à sua total normalização.

Agilizando a mente com o estudo, prática e conhecimento da atividade que os pensa­mentos desenvolvem dentro do próprio campo mental, o tímido obterá como resultado um aumento gradual, e em proporção cada vez maior, de seu próprio valor, valor que se irá configurando pouco a pouco em ousadia. Consequentemente, em virtude desse exercício ele adquirirá, além de outras vantagens igualmente apreciáveis, maior facilidade de expressão, pois que, com o adestramento que recomendamos, surge efetivamente a inteireza, que estimula o ânimo e permite expressar-se com desembaraço. (Por Carlos Bernardo González Pecotche -Raumsol - Trechos extraídos do livro Deficiências e Propensões do Ser Humano, p. 72.)

Para saber mais sobre este assunto, participe do Curso para Pais e Professores, dia 24 de agosto, das 8h30 às 11h30, na sede da Fundação Logosófica de Divinópolis, com entrada franca.

O endereço é rua Santa Catarina, 1767, esquina com Coronel João Notini, no bairro Sidil. WhatsApp: (37) 3222-0390. E-mail: mg-divinopolis@logosofia.org.br.

Comentários
×