Pandemia faz nascimentos despencarem em Divinópolis

Município teve 228 registros a menos em 2020 do que no ano anterior

Bruno Bueno

O número de nascimentos registrados no Cartório de Registros Civil e Pessoas Naturais de Divinópolis caiu 8% em 2020 em comparação ao ano anterior. Os dados da repartição foram combinados com os números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e obtidos na tarde de ontem pela reportagem. 

Conforme os números, 2.817 nascimentos foram registrados em todo o ano de 2020 ‒ 228 a menos do que os 3.045 contabilizados em 2019. Foi a primeira vez em seis anos que a cidade registrou menos nascimentos do que no ano anterior.

Confira o levantamento feito pelo Agora.

Nascimentos registrados por mês em Divinópolis (2020):

  • janeiro: 240;
  • fevereiro: 191;
  • março: 266;
  • abril: 280;
  • maio: 254;
  • junho: 249;
  • julho: 241;
  • agosto: 220;
  • setembro: 219;
  • outubro: 218;
  • novembro: 224;
  • dezembro: 215;
  • total: 2.817.

Nascimentos registrados por ano em Divinópolis (década):

  • (2020) - 2.817;
  • (2019) - 3.045;
  • (2018) - 2.765;
  • (2017) - 2.760;
  • (2016) - 2.640;
  • (2015) - 2.680;
  • (2014) - 2.759;
  • (2013) - 2.686;
  • (2012) - 2.650;
  • (2011) - 2.622.

 

País

A queda no número de nascimentos também foi constatada em todo o país. 

Conforme dados pelo Sistema de Informações de Nascidos Vivos (Sinasc), do Ministério da Saúde, tabulados pelo jornal Estado de São Paulo, cerca de  2.687.651 recém-nascidos foram registrados no ano passado, número 5,66% menor do que em 2019, quando 2.849.146 nascimentos foram contabilizados.

A queda representou o menor número de nascimentos em todo o país desde 1994, quando 2.571.571 recém-nascidos foram contabilizados.

Pandemia

Um fator determinante para a queda no número de nascimentos foi a pandemia de covid-19. Vários pais que estavam ansiosos para terem filhos decidiram, com medo do vírus, estender um pouco mais a espera. 

É o caso da doméstica Joana Melo, moradora do bairro Chanadour, que estava planejando ter o primeiro filho mas, com a pandemia, decidiu esperar mais um pouco.

— Eu e meu marido já havíamos planejado tudo, até escolhido a melhor data para ovulação. Porém, a pandemia chegou e ficamos receosos. Não sabíamos em que situação nosso bebê poderia chegar ao mundo, por isso estamos aguardando a melhor hora — disse.

A mulher relata que, com o avanço da vacinação, a gravidez não deve esperar por muito tempo.

— Felizmente, estamos em uma situação bem melhor do que no ano passado. A vacinação está avançando e as mães estão menos receosas. Quem sabe até o fim do ano as coisas continuem melhorando e o nosso tão sonhado filho possa chegar — afirmou.

Mortes 

O Cartório de Registro Civil e Pessoas Naturais de Divinópolis também divulgou o número de óbitos registrados pela repartição. O ano de 2020 ‒ que não contabiliza o ápice da pandemia em Divinópolis, ocorrida no primeiro semestre deste ano ‒ registrou o maior número de mortes dos últimos 3 anos.

Mortes registradas por ano em Divinópolis (últimos cinco anos):

  • (2020) - 1.395;
  • (2019) - 1.354;
  • (2018) - 1.367;
  • (2017) - 1.892;
  • (2016) - 1.821.
Comentários
×