Pai de santo é preso suspeito de estupros

Crimes envolvendo pelo menos cinco vítimas ocorreram no bairro Floresta; prisão faz parte de operação de combate à violência contra mulher

Bruno Bueno

Um homem de 53 anos foi preso na tarde de ontem, no bairro Floresta, em Divinópolis, suspeito de estupro. Segundo informações da Polícia Civil, ele atuava como pai de santo e teria cometido os crimes contra pelo menos cinco vítimas, entre 28 e 56 anos.

A prisão faz parte da Operação Resguardo, maior ação de combate a crimes de violência contra a mulher no Brasil, que teve participação da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) e atendeu mais de 60 vítimas na região.

Investigações

Ainda segundo a Polícia Civil, as investigações começaram em março do ano passado, quando a PCMG recebeu uma denúncia de que um líder espiritual teria praticado abusos sexuais contra mulheres e adolescentes. 

A delegada responsável pelo caso, Maria Gorete Rios, explica que o pai de santo utilizava da posição de sacerdote espiritual para abusar das vítimas.

— Segundo relato das vítimas, o líder espiritual ministrava chás e sabonetes de ervas com a promessa de cura. O homem então começava a acariciar o corpo delas, sob o argumento de estar fazendo o ato em nome de espíritos —  explica. 

Ainda segundo a delegada, o indiciado pode ter praticado aborto sem consentimento em uma das vítimas e, em outro caso, transmitido DST para outra que, à época, era adolescente. 

Prisão

Após trabalho de apuração, investigação e denúncias, a PC reuniu provas para representar o mandado de prisão preventiva do suspeito, que foi detido em sua residência, no bairro Floresta.

O pai de santo foi encaminhado para a Delegacia, onde foi interrogado. De lá, foi encaminhado para o sistema prisional.  Ele nega os crimes dos quais é acusado.

Inquéritos

Três inquéritos foram concluídos e levados para a Justiça, sendo o pai de santo indiciado pelos crimes de estupro e aborto. Um quarto inquérito, segundo a PC, apura uma possível paternidade do filho de uma das vítimas e está em andamento.

Operação Resguardo

A prisão faz parte da operação, idealizada em todo o país e que conta com a participação do 7º Departamento de Polícia Civil em Divinópolis. A corporação atendeu cerca de 50 municípios em toda área Centro-Oeste. Equipes presenciais foram deslocadas para as cidades de Divinópolis, Bom Despacho, Nova Serrana, Pará de Minas, Formiga, Papagaios, Itapecerica e Pompéu. 

Em quase 50 dias de operação, mais de 200 pessoas foram presas em todo o estado. Ainda segundo dados da Polícia Civil, mais de 60 vítimas foram atendidas em toda a região.

— 66 mulheres receberam ajuda. Além disso, a Polícia Civil realizou 34 visitas, a fim de tranquilizar as vítimas. Cerca de 31 denúncias foram apuradas e 14 medidas protetivas expedidas. Foram empenhados 32 policiais civis e oito viaturas — afirmou a PCMG em nota divulgada.

Dificuldades

Homero Huertas dos Santos, coordenador de operações da PC de Minas Gerais, comentou sobre as principais dificuldades em combater crimes de violência contra mulher.

— Na maioria das vezes, por conta de questões familiares, as mulheres preferem não denunciar as agressões para proteger algum familiar, talvez até o próprio filho. Outra coisa que atrapalha muito é que os crimes, em grande parte, ocorrem entre quatro paredes, ou seja, não havendo testemunhas presentes no local para realizar a denúncia e acionar a polícia. Para resolver essa situação, o trabalho da PCMG, em conjunto com outros órgãos engajados, é fundamental — explica.

 

Comentários
×