Ordem na ‘Casa’

Já há um tempo, este diário tem alertado a população sobre o teatro feito pelos vereadores, em seus discursos na Câmara. Donos de uma atuação impecável, alguns enganam até mesmo os mais experientes. A “coisa” funciona mais ou menos assim: eles chegam às terças e quintas-feiras para as reuniões ordinárias, e, pouco antes de a sessão ser aberta, fazem a inscrição para o uso da Tribuna Livre. E, tem vereador que faça chuva, ou faça sol, está lá em seu posto para falar durante dez (incansáveis) minutos, podendo ser estendido por mais dois, caso solicitado. Como as reuniões ordinárias são praticamente desertas, eles falam, falam, falam e não falam nada. Alguns falam coisas que até Deus duvida e que arrepiam o cabelo dos “gatos pingados” que acompanham as sessões.

Nesta legislatura, já teve vereador assumindo que trocava votos em projetos de lei da Prefeitura, por melhorias em seu reduto eleitoral. Já teve outro defendendo o indefensável. Já teve parlamentar pedindo CPI até para seu assessor. Tudo em nome da “moral e dos bons costumes”. Mas, a bem verdade é que tudo não passa de um teatro. Eles estão mesmo de olho é na reeleição em 2020.

Enquanto o teatro rola solto em frente às câmeras, a política de Divinópolis acontece, de verdade, nos corredores do Poder Legislativo, e no alto da avenida Paraná – Centro Administrativo. A Tribuna muitas vezes é usada apenas para falar o que o eleitor quer ouvir, e fingir que aqueles que vos falam são os mais preocupados com a população. Pois bem, a coisa não funciona bem assim. Há de se preocupar.

Talvez, se a população se interessasse mesmo por política, o país não estivesse assim. E, enquanto os políticos fazem o que querem e quando querem, o povo se limita ao papel de escolher o candidato, se “apaixonar” por ele, fazer campanha – de graça, votar e deixar seu patriotismo de lado. Porém, o que muitos não sabem é que a política é simples, e se resume a: estar dentro e estar fora. Esqueça esse modelo de direita e esquerda. Ele imperou no Brasil de 1988 a 2018 e parece que não deu muito certo.

Hoje, o Agora traz uma notícia que é dada em âmbito nacional, praticamente todos os dias. Um vereador é indiciado pela Polícia Federal de Divinópolis por compra de votos e outros quatro crimes. A ganância pelo poder realmente pode levar as pessoas a fazer loucuras, como descumprir medidas judiciais, mentir em depoimento e até coagir testemunhas. Tudo, tudo, tudo pelo poder. Nunca pelo povo. Povo este que idealizou a política como uma novela, onde há mocinhos e vilões. Povo este que procura um herói que não existe, nunca existirá, mas insiste em acreditar em lágrimas derramadas durante discursos, muitas vezes, vazios.  

A notícia de hoje não traz nada que ninguém nunca tenha visto. Como dito anteriormente, é algo praticamente rotineiro. Mas traz uma lição: que país o povo está construindo para si? Até quando notícias como estas serão dadas? Até quando a população será cúmplice, com o seu silêncio ensurdecedor e sua omissão em fiscalizar? Até quando as pessoas entrarão para a política com o único intuito de ter algum tipo de benefício? A coisa anda meio preta, ou melhor, sempre andou. Mais do que nunca, é preciso colocar ordem na ‘Casa’.

Comentários
×