Oeste permanece na onda verde

Indicadores na micro devem ser divulgados pelo Estado hoje

Da Redação

“Uma criança morreu por covid-19 em Divinópolis.” Essa foi a manchete publicada na cidade na manhã de ontem. O fato, porém, não procedia. Conforme apurou e publicou o Agora, o Complexo de Saúde São João de Deus (CSSJD) ainda não havia recebido o resultado do teste e, por isso, o motivo do óbito do menino era desconhecido. Horas mais tarde, o teste foi concluído: negativo. Com o diagnóstico, o número de mortos pelo coronavírus no município permanece em 68.

Caso

O hospital esclareceu que o menino deu entrada na unidade e foi enquadrado como suspeita de covid-19. Seguindo as orientações do protocolo, ao chegar a alguma unidade de saúde, todo paciente com indícios de doença respiratória precisa receber os cuidados relativos à doença. De acordo com os médicos, o menino de oito anos tinha histórico de anemia.

Dados

O boletim divulgado ontem pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) aponta 14.959 casos notificados na cidade. Do total, apenas 2.543 foram testados: 1.875 positivos ‒ 1.693 já recuperados ‒, 640 negativos e 28 em análise. Não há nenhum óbito em investigação.

Dos 74 leitos de UTI exclusivos ‒ incluindo SUS e rede suplementar ‒ para pacientes com quadro sintomático de covid, apenas 24 estão ocupados, o que representa 32,4%. Em contrapartida, dos 69 leitos de UTI disponíveis para pacientes com outros doenças, a ocupação é de 100%.

Até ontem, 36 pacientes com quadro sintomático para covid estavam internados em leitos de enfermaria e 24 em CTI. 

Estado

O governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), divulgou ontem a atualização das ondas de cada macrorregião. A Oeste permanece na verde e, consequentemente, Divinópolis. Hoje, o órgão deve também compartilhar a situação das microrregiões. 

— Diante de um cenário de estabilização da pandemia em Minas Gerais, mais duas macrorregiões de Saúde, Triângulo do Sul e Vale do Aço, foram autorizadas a avançar para a onda verde do plano Minas Consciente, criado pelo Governo de Minas para orientar as prefeituras na retomada gradual e segura das atividades — informou.

Apenas Triângulo do Norte, Nordeste e Leste Sul continuam na onda amarela, ou seja, “cerca de 80% do estado — o que representa 11 das 14 macrorregiões de Saúde — estão incluídos na onda verde, a mais avançada do plano”. 

— A redução de 16% da incidência da doença nos últimos 14 dias contribuiu para esse cenário — destacou o governo.

Para o secretário estadual de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, as perspectivas são otimistas e apontam para “a redução da incidência da doença e a tendência da estabilidade da ocupação dos leitos”.

— Seis meses após o lançamento do Minas Consciente, estamos vendo uma tendência de queda tanto no número de casos quanto no de óbitos. A taxa de ocupação de leitos também está estável e com tendência de redução. É uma ocupação que está inferior a 60% há dez dias e vem se mantendo assim. E vemos que a participação da covid-19 nessa ocupação representa 20% dos leitos. É uma situação equilibrada — avaliou.

Mudanças

Passa a valer para o plano Minas Consciente,a partir deste sábado, 31, as novas medidas obrigatórias de distanciamento em eventos. 

— Pela nova regra aplicada à Deliberação 17, a distância para cada pessoa deve ser de 10 m² em eventos fechados e de 4 m² em eventos abertos. Em ambos os casos, o número máximo de presentes permitido por evento é de até 500 pessoas. As autorizações para eventos são válidas apenas para a onda verde, sendo que todos os protocolos de proteção, que incluem o uso de máscara e álcool em gel, são obrigatórios — detalhou a SES.

Segundo o secretário estadual de Saúde, as regras visam proteger trabalhadores e frequentadores de eventos culturais. No dia 1º de dezembro, o Comitê Extraordinário Covid-19 vai analisar o impacto da mudança e, caso seja necessário, poderá propor novas alterações.

— Embora tenhamos um número total maior de pessoas permitidas, quando falamos em 10 m² de distanciamento por pessoa em ambientes fechados reduzimos consideravelmente o número de pessoas que poderiam frequentar eventos neste primeiro mês, que é considerado um primeiro passo para o setor. Com muito cuidado e equilíbrio, vamos tentar dar um primeiro passo neste mês para aquecer o setor — afirmou Carlos Amaral.

 

Comentários
×