Ocorrências de queimadas no sistema elétrico mais que dobram em Minas Gerais

Da Redação

O número de clientes prejudicados por ocorrências no sistema elétrico na área de concessão da Cemig aumentou mais de 100% em maio deste ano, quando comparado ao mês anterior. Somente nos cinco primeiros meses de 2020, a companhia registrou 45 ocorrências que afetaram o fornecimento de energia elétrica para 7.499 unidades consumidoras em Minas Gerais. 

E com a chegada do período seco, a partir do fim do primeiro semestre, as ocorrências devem aumentar. Por isso, a Cemig alerta sobre os riscos que essa prática causa ao sistema elétrico e também ao meio ambiente.

Além de queimar postes e cabos condutores, as queimadas podem causar curtos-circuitos que irão interromper o fornecimento de energia, podendo prejudicar hospitais, postos de saúde, indústrias e as pessoas que, mais do que nunca devido ao isolamento social, estão dependendo do insumo.

— O aquecimento dos cabos e equipamentos da rede elétrica podem levar ao desligamento de linhas de transmissão, linhas de distribuição e subestações, e pior, causar graves acidentes com pessoas que estão próximas a estas áreas. Portanto, são muitos os transtornos causados para quem depende da energia elétrica que é interrompida pelas queimadas — explica o gerente de Saúde e Segurança do Trabalho da Cemig, João José Magalhães Soares.

João José Magalhães destaca que as queimadas podem causar muitos transtornos e prejudicar o fornecimento para hospitais e centros de saúdes, tão importantes nesta época de pandemia. 

— Uma das grandes preocupações da Cemig é a possibilidade de falta de energia especialmente em hospitais e centros de saúde que, em função do avançar da covid-19 no estado, cria uma necessidade ainda maior de manutenção do fornecimento de energia  com qualidade e sem interrupções, principalmente por possível ação indevida de queimadas próximo às suas instalações. As queimadas quando atingem o sistema elétrico da Cemig e danificam equipamentos tornam o restabelecimento mais demorado, o que pode trazer transtornos para todos — alerta.

A Cemig informou que constantemente realiza ações preventivas, investindo na limpeza de faixas de servidão, com poda de árvores e arbustos e remoção da vegetação ao redor dos postes e torres. A companhia disse que também faz inspeções em suas linhas de transmissão, para identificar e mitigar riscos potenciais para tentar evitar as ocorrências proporcionadas pelas queimadas.

Fazer queimada é crime e as pessoas podem denunciar práticas ilegais, de maneira anônima, ligando gratuitamente para o telefone 181.

Plataforma de Monitoramento

Em junho, a Cemig e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) lançaram a plataforma "Apaga o Fogo!" (http://www.apagaofogo.eco.br) que tem o objetivo de reduzir as interrupções no fornecimento de energia elétrica causadas por incêndios e de auxiliar na preservação de áreas de proteção ambiental. A aplicação dessa tecnologia deve representar um importante aliado no combate e prevenção de futuros focos de incêndio nas áreas monitoradas.

De acordo com o gerente do projeto e engenheiro de tecnologia da Cemig, Carlos Alexandre Meireles do Nascimento, o sistema disponibiliza em tempo real imagens que são processadas por meio de algoritmos de inteligência artificial de forma autônoma e também por internautas que poderão auxiliar na identificação e validação precoce dos focos de fumaça e na evolução do incêndio.

— Dessa forma, as áreas de preservação ambiental poderão ser supervisionadas 24 horas por dia, e ainda podem contar com uma ampla colaboração dos internautas. O objetivo do projeto é reduzir os registros de incêndio nos grandes centros urbanos e, para a Cemig, melhorar a qualidade dos serviços, por meio da redução das interrupções no fornecimento de energia elétrica causadas por incêndios próximos às redes de transmissão e distribuição da empresa — explica.

Além da Cemig e da UFMG, o projeto "Apaga o Fogo!" tem parcerias com a startup Gaia, responsável pelos algoritmos de inteligência artificial para detecção automática de fumaça e fogo, com a empresa Raro Labs, que desenvolveu a plataforma web Apaga o Fogo!, e com a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), que atua na concepção e na montagem da rede que integra as câmeras com a Internet. O projeto é financiado pelo Programa de Pesquisa & Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que determina que empresas de energia apliquem 0,5% da sua receita operacional líquida em projetos de inovação. 

Comentários
×