Obras do Hospital Público Regional completam 8 anos e sem previsão de término

Pollyanna Martins

As obras do Hospital Público Regional Divino Espírito Santo completaram oito anos no domingo, 1º. A construção, que tem 36 mil metros quadrados e teria mais de 200 leitos credenciados ao Sistema Único de Saúde (SUS), para atender aos 53 municípios da macrorregião de Divinópolis, começou em 2010. A promessa era de que seriam beneficiadas 1,5 milhão de pessoas da região, pois, após a sua inauguração, o Hospital Regional Divino Espírito Santo seria o único hospital público do Centro-Oeste mineiro.

A placa fixada na porta da construção mostra que a obra estava orçada inicialmente em R$ 47.830.050,00 e o prazo para a conclusão era de 24 meses. Em setembro do ano passado, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que a previsão de custo final da obra é de R$ 98.917.720,37. Ainda segundo a secretaria, até setembro haviam sido liberados R$ 63 milhões para a construção, o que corresponde a 60% da obra.

A primeira licitação feita para o Hospital Regional foi em junho de 2010 e a empresa vencedora foi a Marco XX Construções Ltda. Oficialmente, as obras entraram em reta final no dia 20 de setembro de 2013, quando foi publicado no Diário Oficial dos Municípios Mineiros o extrato “Início dos serviços de conclusão das obras do Hospital Público”, que destinou R$ 26.033.221,14 para finalizar o hospital. O extrato concedia mais 16 meses para a até então última etapa. Portanto, o Hospital Público Regional seria entregue em dezembro de 2014.

No mês prometido a entrega, a então gerente do Projeto de Implantação dos Hospitais Regionais do governo estadual, Flávia Etelvino, anunciou que o hospital seria entregue em julho de 2015. Já em setembro de 2015, o então secretário de Estado de Saúde, Fausto Pereira dos Santos, visitou as obras e se comprometeu a liberar R$ 10 milhões para a conclusão. Fausto disse na época que, com a liberação dos recursos, as obras deveriam acelerar e, com isso, em 2016 o hospital seria entregue.

— A nossa expectativa é que, com liberação dos recursos, as obras possam seguir um ritmo de acordo, mas que em 2016 as obras sejam concluídas – afirmou.

 Sem dinheiro

 Oito anos se passaram e a estrutura do Hospital se definha com o tempo. Várias frentes políticas foram feitas na tentativa de que as obras continuassem, mas nada foi feito. Em junho do ano passado, o governado do Estado, Fernando Pimentel (PT), afirmou, em entrevista ao Sistema MPA, que concluir o Hospital Público Regional não era prioridade do seu governo. A declaração de Pimentel depois foi reforçada pelo secretário adjunto de Saúde, Nalton Moreira.

— A situação financeira do Estado não nos permite abrir novos serviços. Nós te­mos na verdade é que colocar os que existem para funcionar. Manter em dia os pagamentos dos que existem. Então, não justifica nesse momento a gente abrir o hospital regio­nal — argumentou.

Licitação 

Em setembro do ano passado, a SES informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que, no dia 27 de dezembro de 2016, havia sido realizado um novo processo licitatório e que seguia em análise por uma comissão da Prefeitura de Divinópolis, para que fosse definida a empresa vencedora. Por sua vez, a assessoria de imprensa da Prefeitura negou a informação e ressaltou que a obra não recebia nenhum centavo desde abril de 2016.

Visita técnica 

A última visita técnica ao local ocorreu em junho de 2016, quando o ex-prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) assinou o edital para a última etapa da obra. Na ocasião, Vladimir foi questionado sobre o fato de o Hospital Público de Uberlândia, do mesmo porte que o de Divinópolis, ter sido construído em três anos. O ex-prefeito alegou, na época, que faltava comprometimento do Governo do Estado com as obras e, por isso, houve o atraso.

 

Comentários
×