Obras ameaçam estrutura de prédio

Matheus Augusto

Com as chuvas cada vez mais frequentes, aumenta a preocupação da Defesa Civil e dos demais órgãos responsáveis em lidar com os estragos das chuvas. O secretário de Trânsito, Transportes e Segurança Pública, Marcelo Augusto, se reuniu com a imprensa ontem para dar mais detalhes das ações em Divinópolis. Segundo ele, apenas para este fim, a Defesa Civil realizou 122 vistorias. Além disso, há cerca de três meses, a Prefeitura deu início ao processo de intensificação da limpeza de bueiros para evitar alagamentos.

Prédio em risco

A mais recente vistoria ocorreu na rua Amazonas, entre São Paulo e Rio de Janeiro. O engenheiro da Defesa Civil e agentes da Polícia Militar (PM), Bombeiros e Settrans estiveram no local no último domingo, 24, para avaliar a situação. Como é possível ver na foto, há um terreno em obras e, com as chuvas do fim de semana, parte da encosta, que sustenta prédios vizinhos, erodiu.

Segundo o secretário, não foi constatada ainda a necessidade de retirar os moradores de imóveis da região. No entanto, o proprietário do imóvel que está sendo construído recebeu recomendações para evitar que, com chuvas mais fortes, os imóveis próximos ao terreno sejam danificados.

— A Defesa Civil compareceu ao local ontem [domingo], juntamente com o Corpo de Bombeiros. A primeira providência já foi adotada pela construtora, que é a contenção da água que estava descendo do prédio e também a proteção da encosta com talude e lonas. O próximo passo agora será a construção do muro de arrimo — contou o secretário.

Marcelo Augusto também informou que os moradores já foram orientados de que a situação está sob controle.

— Não existe nenhum tipo de risco, por enquanto, hoje, de acordo com o que foi avaliado pela própria Defesa Civil — explicou.

Vistoria

Agentes da Defesa Civil voltaram à obra ontem para acompanhar se os procedimentos estão sendo seguidos. Segundo o engenheiro do órgão, Júlio Valério, as medidas a serem implantadas visam garantir a segurança dos moradores.

— O prédio tem uma caixa de água que se encontrava no fim, perto do talude, e essa caixa pluvial estava sem fundo e com problemas, e o pessoal da obra não percebeu. Com as chuvas, o talude ficou instável e veio a cair. Nós estivemos aqui ontem [domingo] com o Corpo de Bombeiros. A Defesa Civil foi acionada e fizemos a vistoria em todos os prédios no entorno e não percebemos nenhum dano. Entramos em contato com o proprietário da obra e ele está tomando todas as providências. A Defesa Civil está monitorando para que todos os procedimentos que foram passados sejam cumpridos, e um engenheiro está dando assistência para resolver o problema o mais rápido possível — explicou Júlio Valério.

Recomendação

O secretário de Trânsito, Transportes e Segurança Pública, Marcelo Augusto, orientou a população a não descartar resíduos nas vias, pois a atitude contribui para as enchentes.

— Esse trabalho de limpeza dos bueiros foi feito pela secretaria responsável e tem se intensificado nos últimos dias. Mas é muito importante a conscientização das pessoas no sentido de não jogar lixo, garrafas pet, materiais de plástico, porque é realmente isso que causa o entupimentos e provoca as inundações que acontecem em alguns pontos da cidade — pediu.

O secretário ainda citou um dos pontos de inundação da cidade que, no último mês, recebeu melhorias para minimizar o acúmulo de água na via.

— Fizemos uma obra recentemente na rotatória do bairro Bom Pastor, um ponto crítico, que sempre registra problemas recorrentes com inundação. A gente tem a expectativa de que os problemas neste ano sejam menores em relação aos anos anteriores — relatou.

Ações

O secretário de trânsito também destacou o Plano de Contingências das Chuvas. Segundo ele, o projeto é atualizado constantemente de acordo com o surgimento de novas demandas. Marcelo também ressaltou que os locais de risco estão mapeados e com as medidas que devem ser tomadas em casos de danos por chuvas.

— O Plano de Contingência traz toda as situações de anos anteriores, quando houveram problemas e quais ações devem ser tomadas em cada um desses casos — explicou.

Com isso, os órgãos podem, prevendo algumas ocorrências, buscar melhorias na infraestrutura para evitar que tais problemas se repitam.

— Nós temos um mapeamento dos locais de inundação, dos pontos de deslizamentos. Os próprios agentes da Settrans já foram treinados e mobilizados neste sentido, assim como foram feitas reuniões com os demais órgãos. É um trabalho conjunto que fazemos de acompanhamento desses locais para que, caso ocorra algum tipo de inundação ou deslizamento, a gente já adote, imediatamente, as providências. São pontos que a gente está monitorando há mais tempo, além de outros locais em que foram adotadas algumas medidas, como limpeza da margem dos córregos e bueiros, justamente para reduzir os impactos durante o período de chuvas — explicou.

O líder da pasta também ressaltou que os “pontos sensíveis” da cidade, com base em ocorrências de anos anteriores, são: cheias e inundações de córregos e das margens do rio Itapecerica, o Alto do São João de Deus, o Alto do São Vicente, a rua Deputado Jaime Martins e as ruas Lagoa da Prata e Guapé, no bairro São José.

Por fim, Marcelo Augusto reforçou que, caso o cidadão visualize um imóvel em situação crítica, a secretaria deve ser acionada para o serviço de vistoria comparecer ao local.

— A gente realizou mais de 100 vistorias neste ano, através de denúncias e solicitações da comunidade. A Defesa Civil está aqui neste trabalho de coordenação junto com os demais órgãos. E, em qualquer necessidade, a população pode fazer contato com a secretaria que nós vamos atender prontamente — ressaltou.

 

Comentários
×