O velho e bom toucinho

Augusto Fidelis

Com a escassez de gordura animal para preparar a comida de tanta gente que habita o mundo, alguém, que não sei quem, inventou o óleo de cozinha. Agora, o bicho está pegando. Segundo o palestrante e cientista alimentar Tiago Rocha, um dos alimentos mais cancerígenos é a batata frita e justifica: “Em nenhum lugar, na face da terra, um indivíduo vai aquecer 20 litros de óleo, por exemplo, apenas para fritar uma porção de batatas. Aquilo fica ali sendo utilizado por um bom tempo”.

O óleo, ao ser aquecido mais de uma vez, transforma-se numa substância chamada acoleína, o mesmo produto que saiu do escapamento de veículos. Seja do que for, de que marca for, óleo é combustível. Por isso há tantos diagnósticos de câncer na atualidade, em todo o mundo. Até algum tempo atrás, as pessoas tinham medo de falar o nome da doença. Hoje, infelizmente, esse medo teve de ser perdido, já que o problema tem se tornado comum. Outro veneno, segundo Tiago Rocha, é a pipoca de microondas. 

Soma-se a estes a margarina, riquíssima em gordura hidrogenada, que plastifica o coração e as artérias. Está aí a incidência de tanto infarto. Outro condenado é o requeijão batizado. Recebe o título de requeijão batizado aquele produto em que o fabricante, por ganância, acrescenta à massa amido de milho, a famosa maisena. Segundo o palestrante, o melhor é fugir dos requeijões baratos, propensos ao batismo.  Completam-se a lista dos mais nocivos à saúde os refrigerantes e adoçantes.

Como se vê, aqueles produtos outrora colocados no ostracismo, como provocadores de doenças, segundo os interesses de mercado, estão de volta com pompa e circunstância. O velho e bom toucinho puxa a lista, sendo a gordura de porco a ideal para preparar os alimentos. O açúcar, particularmente o mascavo, dá de dez a zero nos adoçantes. O mascavo, além de conter muito nutrientes, não tem efeito colateral.

Em compensação, porém, há três alimentos que estão no topo no que tange aos benefícios para o ser humano. A primeira é a biomassa de banana verde, ótima para combater a depressão, uma das doenças terríveis no atual século. Essa biomassa é feita da seguinte forma: seis bananas verdes, cozidas na panela de pressão de 15 a 20 minutos. Em seguida, as bananas devem ser descascadas, batidas no liquidificador e a massa  mantida no congelador, em saquinhos. Consumir duas colheres por dia.

Tiago Rocha garante ainda que o vinagre de maçã combate colesterol, triglicérides e diabetes. E, para completar, o suco de uva faz milagres. No mínimo um copo por dia. Meus amores, a vida é curta, então abram os olhos: você aquilo que come!

augustofidelis1@gmail.com 

Comentários
×