O poder do elogio

Ômar Souki

Antes de chamar a atenção de um colaborador por algo que fez de errado ou deixou de fazer, faça três elogios pelas coisas que ele fez certo. Essa é a regra na Disney. Não importa o ramo de atividade, se essa conduta for seguida, os resultados vão melhorar. Utilizo até mesmo com meus filhos pré-adolescentes e funciona. Eles prestam mais atenção no que eu digo e se tornam mais predispostos a cooperar. Em vez de simplesmente enfatizar as falhas, é de suma importância valorizar as virtudes de nossa equipe. As coisas que focamos tendem a se repetir. É como se usássemos uma lente de aumento. Se a pessoa pensa mais em seus problemas do que nas soluções, acaba por aumentar os desafios a serem enfrentados. Lembre-se de seus primeiros dias nesse emprego que agora domina bem. Como você se sentia? Seguro ou inseguro? À vontade ou meio travado? Motivado ou desmotivado? Acredito que estava motivado, mas inseguro e meio travado. Como se sentiu depois dos primeiros elogios pelo seu desempenho? O que aconteceu com a sua motivação depois de ter recebido um elogio de um cliente satisfeito – que depois foi reforçado pelo chefe?

O direcionamento do foco mental do líder determina o clima dominante na equipe e na organização. Lideranças bem-sucedidas investem 90% de seu tempo e energia na busca de soluções e 10% na identificação e discussão de problemas. Não ignoram falhas e fraquezas, mas sabem que o bom andamento do negócio depende da motivação de seu pessoal – que se alimenta pelo reconhecimento sincero, e não pela crítica. Reconhecer o trabalho bem feito é fundamental para manter as pessoas motivadas. Os comentários dos clientes satisfeitos devem ser colocados em um painel à vista de todos. Os funcionários que se destacam devem receber um elogio especial do tipo: “Miguel, parabéns! Você brilhou porque soube transformar a reclamação daquele cliente em uma oportunidade de fidelização. Não só o escutou com paciência. Foi além, identificou o que ele realmente desejava e solucionou o problema com rapidez e elegância”. Dessa forma, a pessoa se sente estimulada a repetir aquele tipo de comportamento. Assim deve ser o elogio bem feito, você deve manifestar a sua satisfação com o comportamento eficaz e explicar exatamente o porquê daquele elogio. Os funcionários que se destacam com frequência durante o mês podem ter sua foto afixada com os dizeres: colaborador destaque do mês de março (por exemplo). Quando a equipe consegue atingir ou superar metas, é importante comemorar com uma pequena festa no fim do expediente.

Mas uma das tentações que podem assaltar a um líder é a de criticar indiscriminadamente. Isso pode ser mais fácil do que elogiar – em geral, os líderes têm mais experiência e percebem facilmente os erros de seus colaboradores. Para aguçar essa atitude negativa, existe por trás de cada um de nós um ego querendo aparecer. Sem perceber, uma pessoa em posição de poder pode começar a apontar falhas e fraquezas ao seu redor simplesmente para mostrar sua “competência”. Já viveu uma situação na qual seu chefe se utilizava mais da crítica do que do elogio para “motivar” a equipe? Enquanto a crítica enfatiza o que está errado e desmotiva, o elogio foca o que funciona, o que dá bons resultados e turbina equipes. Por isso a regra de elogiar primeiro, antes de mostrar o que pode ser melhorado, representa um antídoto para a tentação de criticar a torto e a direito. Quando perceber um comportamento inadequado em sua equipe, tenha a serenidade de estudar a melhor forma de estimular uma atitude positiva, em vez de supervalorizar o erro. A melhor forma de combater falhas é motivar comportamentos de excelência. Isso se faz através de reconhecimento, recompensa e comemoração.

wowsouki@yahoo.com.br

 

 

Comentários
×