O poder do autoconhecimento.

Talyta Silva 

Um dos melhores livros que surgiram nos últimos tempos é o “O Poder Do Agora”, de Eckhart Tolle, que conta uma história bastante interessante. Por mais de trinta anos um mendigo ficou sentado no mesmo lugar, debaixo de uma marquise. Até que, um dia, uma conversa com um estranho mudou sua vida: 

— Tem um trocadinho aí pra mim, moço? — murmurou, estendendo mecanicamente seu velho boné.

— Não, não tenho — disse o estranho. — O que tem nesse baú debaixo de você?

— Nada, isso aqui é só uma caixa velha. Já nem sei há quanto tempo sento em cima dela.

— Nunca olhou o que tem dentro? — perguntou o estranho.

— Não — respondeu. — Para quê? Não tem nada aqui, não!

— Dá uma olhada dentro — insistiu o estranho, antes de ir embora.

O mendigo resolveu abrir a caixa. Teve que fazer força para levantar a tampa e mal conseguiu acreditar ao ver que o velho caixote estava cheio de ouro. Eu sou o estranho sem nada para dar, que está lhe dizendo para olhar para dentro.

Não de uma caixa, mas, sim, de você mesmo. Imagino que você esteja pensando indignado: “Mas eu não sou um mendigo!”.

Infelizmente, todos que ainda não encontraram a verdadeira riqueza – a radiante alegria do ser e uma paz inabalável – são mendigos, mesmo que possuam bens e riqueza material. Buscam, do lado de fora, migalhas de prazer, aprovação, segurança ou amor, embora tenham um tesouro guardado dentro de si, que não só contém tudo isso, como é infinitamente maior do que qualquer coisa oferecida pelo mundo.

   Hoje em dia todas as pessoas buscam por migalhas de prazer, mas ainda não entendem que a verdadeira felicidade existe em nós, e, quando buscamos pelo autoconhecimento, achamos a verdadeira felicidade. 

   O autoconhecimento, segundo a psicologia, significa o conhecimento de um indivíduo sobre si mesmo. A prática de se conhecer melhor faz com que uma pessoa tenha controle sobre suas emoções, independentemente de serem positivas ou não. Tal controle emocional provocado pelo autoconhecimento pode evitar sentimentos de baixa autoestima, inquietude, frustração, ansiedade, instabilidade emocional e outros, atuando como importante exercício de bem-estar e ocasionando resoluções produtivas e conscientes acerca de seus variados problemas. A maioria das pessoas sente mais facilidade em identificar as coisas negativas. Aprendemos que dizer aquilo que gostamos em nós mesmas poderá ser rotulado de presunção, esnobismo, egocentrismo. Nada disso! Para aumentar o autoconhecimento é preciso ter consciência de quem se é de verdade, avaliando os pontos positivos tanto quanto os negativos, pois só assim será capaz de mudar aquilo que te incomoda ou te e cobranças, acaba por esquecer.

Por isso, o autoconhecimento é fundamental para desenvolver o amor por si mesma e fortalecer a autoestima. É muito difícil alguém se conhecer interiormente quando a busca está sempre no externo. Buscam cuidar da pele, mudar o corte do cabelo, comprar roupas, carros, eliminar alguns quilinhos, mas quase sempre esquecem que o caminho deve ser o contrário, de dentro para fora. O equilíbrio entre os fatores internos e externos deve ser buscado para que não haja espaço para manipulação e fragilidade. Também pode haver reflexão de vida, analisando o comportamento obtido até então e as atitudes tomadas para que se consiga detectar maus atos e comportamentos, a fim de que não mais ocorram.

O importante é desenvolver a capacidade e ter a consciência de saber que o que faz é o reflexo de quem você é. Ao reconhecer seus pontos negativos, poderá mudar um por um. E reconhecendo seus pontos positivos se sentirá mais confiante em sua capacidade de conseguir o que quer que deseje, independente das críticas ou opiniões que terão sobre você, pois acredita ser capaz de conseguir tudo o que deseja! E ainda que ninguém te aprove, você terá autoconhecimento suficiente para você mesma se aprovar e principalmente se amar!

Comentários
×