O poder da gratidão

ÔMAR SOUKI

Você se lembra de agradecer pela graça de um novo dia? Pela graça da respiração? Pela dádiva do alimento que está prestes a ingerir? Pela sua saúde e boa disposição para o trabalho? Pelo abraço que recebe das pessoas queridas? Pelo sol que ilumina seus dias e pela lua que encanta suas noites? Pela chuva mansa que o faz adormecer? Pelo cantar do passarinho e pelo sorriso da criança? 

Além desses agradecimentos, pelas coisas que nem achamos ser preciso dar graças, existe aquele outro tipo de gratidão: o agradecimento aos funcionários pela dedicação e o muito obrigado aos clientes pela preferência. Esse segundo tipo de agradecimento é considerado necessário e imprescindível ao bom andamento de nossos negócios. De fato, é difícil de imaginar um ambiente de trabalho sem a cortesia mínima do muito obrigado pelo desempenho dos colaboradores e sem um robusto pós-venda, isto é, acompanhamento da utilização dos produtos ou serviços até a certeza da satisfação total do cliente. 

Por mais incrível que pareça, a gratidão mais necessária, ou seja, o agradecimento pela graça da vida, é também uma das mais esquecidas. A pressa e agitação atual impedem que tenhamos uma consciência mais ampla da dádiva que é a própria vida – o simples estar vivo. Essa dádiva vem do Supremo Doador. As diversas tradições religiosas estão baseadas no louvor a Deus e no agradecimento constante pela graça da vida. 

As religiões salientam as virtudes, tais como a lealdade, o agradecimento pelos favores recebidos, a caridade, a justiça, a verdade e a honestidade. O apóstolo Paulo recomenda que é preciso fazer orações e súplicas em ação de graças e que  “em tudo é necessário dar graças”. E Buda exorta seus seguidores da seguinte forma: “Vamos nos erguer e ser gratos, porque, se não aprendermos muito hoje, pelo menos aprenderemos um pouco e, se não aprendermos um pouco, pelo menos não ficaremos doentes e, se ficarmos doentes, pelo menos não morreremos; por isso, sejamos todos gratos”. 

Einstein dizia que precisava se lembrar centenas de vezes por dia do quanto dependia das outras pessoas. Nós também devemos nos lembrar centenas de vezes por dia do quanto somos gratos a Deus, a nossos familiares, a nossos amigos e a nossos clientes – devemos renovar constantemente a consciência do quanto dependemos do Criador e das criaturas. Estudos de Robert Emmons diz: “Demonstramos, com a nossa pesquisa, que a gratidão está positivamente relacionada a resultados cruciais, como satisfação com a vida, vitalidade, felicidade, autoestima, otimismo, esperança, empatia e vontade de dar apoio emocional palpável às pessoas, enquanto a ingratidão está relacionada com ansiedade, depressão, inveja, materialismo e solidão”.

Comentários
×