O melhor ou pior?

Este PB começa hoje se despedindo de 2019. E, durante este ano, em que tudo aconteceu na nossa Divinópolis, dá para se destacar o melhor ou pior? Na verdade, os dois. Como todos sabem este ano não foi fácil para ninguém. Nas diversas searas, não faltaram problemas e a população padeceu. Na política então, ela é muito grande, porém os políticos obreiros são muito poucos. Assim, o povo sofreu com a saúde decadente, educação inadequada, cultura que não existe, muita falácia, pouca produção e o tal de “jogar para a plateia”. Relembremos então assuntos que marcaram o ano em alguns meses.

Elas por elas e...

...como antes?  Em janeiro, cumpriu a norma, o prefeito Galileu Machado (MDB) no ato de exoneração e nomeação dos servidores comissionados da Prefeitura. O chefe do Executivo chamou de volta 149 dos 168 demitidos no último dia de 2018. O total seguiu crescendo, apesar de diversas promessas de enxugar a máquina. Ou seja, ficou elas por elas ou até pior.

Piada futebolística

Fevereiro veio e... A manota da vez foi no futebol. O momento de grande comoção em Minas, no Brasil e no mundo pela tragédia na barragem da Vale em Brumadinho, com 134 mortos confirmados e 190 desaparecidos (à época), não foi suficiente para barrar a idiotice de um jogador. O sem noção, Thiago Neves, do Cruzeiro, que futuramente daria muita dor de cabeça à diretoria e causaria a ira da torcida, deu conta de transformar o sofrimento de vítimas e familiares em piada futebolística. Usou em suas redes sociais uma imagem que circulou em grupos de WhatsApp simulando haver uma barragem na Cidade do Galo. O jogador fez uma relação com o rebaixamento do Atlético, em 2005, e escreveu que “barragem que já caiu uma vez assusta moradores de Vespasiano, onde fica o CT do clube alvinegro”. Como “feitiço vira contra o feiticeiro”, ele nem sequer sonhava que poucos meses depois era o time dele que estaria se afundando na lama.

Assunto do Twitter

Já em abril, exatamente o dia 1º ficou marcado por algumas ações. Internautas tiraram o data para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro (Sem partido), que estava apenas há três meses no governo. A manifestação virtual transformou a data no Bolsonaro Day e fez a expressão chegar ao topo da lista de assuntos mais comentados no Twitter. Alguns lembraram episódios e frases polêmicas do presidente, como as denúncias de uso de notícias falsas durante as eleições e a negativa de que o regime militar foi uma ditadura. Como se vê, mesmo sendo dia da mentira, o 1º de abril rendeu em todos os sentidos.  E o dia da mentira de 2019 certamente ficou marcado na memória de muita gente.

De olho

Pulando já para o segundo semestre, mas de volta à Câmara. Aliás, foi assunto o ano todo. E bota assunto nisso! Em agosto, faltava mais de um ano para as eleições municipais, mas, nos bastidores da política o clima já era quente. O Legislativo divinopolitano foi exemplo mais real. As reuniões tensas no Plenarinho e os discursos inflamados na Tribuna Livre já retratavam esta realidade. Basta o eleitor mais desatento ficar de olho em seus representantes, principalmente agora em 2020. 

Briga e exoneração

Em setembro, as cabeças das pessoas ligadas ao vice-prefeito, Rinaldo Valério (DC), rolaram. Um assessor, o secretário de Esportes, Everton Dutra, que é seu cunhado, e da secretária que cuidava de sua agenda. O motivo seria uma possível traição de Rinaldo, na noite que antecedeu a votação das denúncias contra o prefeito, Galileu Machado, na Câmara. Porém, o vice negou veementemente que tenha cometido algo semelhante. Nos bastidores, comentou-se que Rinaldo foi ingênuo ou lhe faltou traquejo político, ao aceitar o convite de terceiros, usando de certa promessa de votos contra Galileu. Se foi ingênuo ou houve traição, não se sabe. O certo é que 2020 começa sem Galileu e Rinaldo fazerem as pazes.

Eles merecem

E o ano termina com a notícia de que servidores municipais vão receber o 13º. Mesmo que parte seja em janeiro, mas não deixa de ser uma boa notícia para muitos que não tinham nem mais esperança de receber o benefício. É neste dinheiro que eles apostam as fichas, pelo menos para pagar dívidas que se acumulam durante o ano. Terminar com boas notícias é sempre bom. E que 2020 seja muito carregado delas. Que este espaço democrático seja ocupado mais por boas do que ruins, ao contrário de 2019. Terei o maior prazer em escrevê-las. Até lá!

Comentários
×