O mágico de Queiroz

Tudo começou com um ciclone vindo do Morro do Falapato. Foi uma ventania terrível que acabou por fazer desmoronar o sítio Republique, jogando-o ao chão e deixando a pequena Dorothy Democracy desabrigada.

Seria uma tristeza muito maior não fosse a garotinha ter encontrado seus amigos Espantalho, Lenhador de Lata e Leão Medroso. Não se sabia ao certo como se ajudariam, pois Espantalho não tinha cérebro, o Lenhador de Lata não tinha coração e o Leão (pasme-se!) não tinha coragem.

De qualquer forma, estavam juntos sempre. Talvez tenha sido por isso que a boa bruxa Gleen os tenha auxiliado. Ao reuni-los, disse que deveriam procurar o poderoso Mágico de Queiroz, e que, ao encontrá-lo, ele faria um novo sítio Republique para Dorothy, daria um cérebro – com certificado acadêmico e tudo – para o Espantalho, bem como daria um coração para o Lenhador de lata – prontinho para amar – e ainda faria do Leão Medroso um destemido e corajoso rei das selvas.

Segundo a boa bruxa Gleen, eles deveriam caminhar até a Cidade Esmeralda passando pela Estrada dos Tijolos Amarelos. Para ajudar na jornada deu à pequenina Dorothy um par de sapatinhos vermelhos. Despediu-se a boa bruxa e foi-se.

Começaram então os desafortunados a longa caminhada pela Estrada de Tijolos Amarelos em direção à Cidade Esmeralda. Tudo ia muito bem até que o Espantalho sem cérebro perguntou pelos tais sapatinhos vermelhos. Como ele não tinha cérebro, concluiu que a bruxa Gleen era comunista – mas ele também não sabia o que era isso – e que a pequena Dorothy era infiltrada de ONG’s esquerdistas.

Imediatamente, o Lenhador de Lata sem coração encheu-se de raiva e disse que Dorothy estava usando aqueles sapatinhos vermelhos para pisar na estrada amarela de sua pátria e sua bandeira. Disse também que ela queria transformar a Cidade Esmeralda numa outra Venezuela.

Em seguida foi o Leão Medroso que mostrou sinais de covardia. Agora era um Leão realmente covarde e prendeu Dorothy porque tinha plena convicção de que ela era ligada ao tráfico de alguma coisa que ele não sabia – mas não importava. Também alegou que Dorothy poderia provocar incêndios na Cidade Esmeralda, transformando-a numa cidade cinza. Aliás, cinza não, mas vermelha, como já suspeitava o Espantalho sem cérebro.

Fato é que tornaram a pequena Dorothy Democracy como prisioneira e atravessaram com ela toda a Estrada de Tijolos Amarelos vigiando-a e até privando-a de sua pequena bolsa, onde ela guardava pequenas recordações de sua família. Sumiram com sua bolsa de família.

Chegando à Cidade Esmeralda pediram para falar com o Mágico Queiroz, ostentando a pequena prisioneira. Estavam com fome e lhes foram servido sanduíches de pão com “leitimoça”, uma iguaria bem tradicional na cidade. O Mágico Queiroz os recebeu, mas foi uma grande decepção. O tal mágico só tinha um truque, que era fazer desaparecer laranjas, e, quando o fazia, também ensaiava uma dança esquisita, chamada dancinha do hospital.

Foi aí que a boa bruxa Gleen reapareceu. Imediatamente, resgatou Dorothy e a levou para seu sítio Republique reconstruído. Como castigo, deixou o Espantalho sem cérebro, o Lenhador sem coração e o Leão Medroso por lá mesmo, condenados a fazer cocô apenas uma vez por semana até 2022.

(*) Dedicado a Lyman Frank Baun (1856 – 1919)

Comentários
×