O jeito Sócrates de ensinar

O jeito Sócrates de ensinar

Prof. Antônio de Oliveira 

 

Estamos aqui reunidos para uma homenagem aos professores, no seu dia comemorativo, 15 de outubro. Sem mais delongas, passo a palavra ao imortal Sócrates, de quem ouviremos o testemunho. Sócrates reaparece e, redivivo, com lucidez, expõe o seu método, o método socrático.

 

Senhoras e senhores, meus jovens:

Sim, sou eu mesmo e quero lhes falar sobre minha arte de ajudar a nascer.

Minha arte abrange todas as funções que exercem as parteiras, mas numa dimensão diferente. Fenarete, minha mãe, era parteira. Assim, procedo pedagogicamente em memória da profissão materna.

Minha arte do diálogo, no tocante à maiêutica, referente a parto, abrange também os homens, não apenas as mulheres. Cuida da libertação do espírito e não do corpo. Um método que, finalmente, visa à parturição de ideias.

Minha arte está principalmente em tornar o jovem capaz de discernir se do seu 

espírito surgem falhas e fantasias ou frutos reais e verdadeiros.

Sou estéril a respeito da sabedoria. 

A crítica que muitas vezes me foi feita de interrogar sem nunca me manifestar sobre coisa alguma tem fundamento.

O motivo é este: não tenho em mim nenhuma sabedoria. Deus me obriga a ajudar o nascer dos outros, mas não me permite gerar.

 

Em nada sou sábio e nada posso apresentar que tenha nascido de mim. Mas os que a mim se ligam, apesar de, no início, alguns deles se revelarem totalmente ignorantes, no decorrer de nossa convivência fazem progressos fantásticos, não somente ao juízo deles, mas de todos. 

 

Não há dúvida de que nada aprenderam de mim, mas em si mesmos descobriram e criaram tantas coisas maravilhosas. 

Porém, se deram à luz, foi graças a Deus e a mim.

Se músico é o que sabe música, pedreiro o que sabe edificar, justo será o que sabe a justiça. Quanto a mim, sei que nada sei. Tenho dito.

Comentários
×